Grupos geradores da Volvo Penta fornecem energia para a maior balsa híbrida elétrica da Suécia

0
505

A balsa Tellus foi encomendada pela Administração de Transportes da Suécia e construída pelo Baltic Workboats Shipyard, uma empresa estoniana que já produziu mais de 200 embarcações e que tem no momento 30 embarcações encomendadas. A construção da balsa, com 100 m de comprimento, levou 16 meses, e ela pode transportar carros, caminhões, além de 300 passageiros.

A balsa tem duas unidades de propulsão POD acionadas eletricamente, uma em cada extremidade da embarcação. Assim, não é necessário virá-la para ir e voltar pelo fiorde. A energia para as unidades de propulsão é retirada das baterias ou dos quatro motores Volvo Penta D16 MH. Esses motores acionam geradores com a tecnologia de magneto permanente assistido por relutância síncrona (SRPM). As unidades podem ser acionadas individualmente ou todas as quatro em paralelo para otimizar o consumo de combustível e as emissões. Esses grupos geradores marítimos foram fornecidos pelo do Centro da Volvo Penta dos países bálticos para a BMG Power Systems.

A BMG Power Systems é especializada em motores para serviços pesados e tem um relacionamento de longa data com a Volvo Penta nos segmentos comercial marítimo, de lazer e industrial. Ela também tem uma parceria exclusiva com a Baltic Workboats Shipyard, que dura mais de 10 anos, tornando-o a ponte perfeita para um projeto como este.

Tõnu Kirs, sócio-gerente da BMG Power Systems, explica que: “Os motores da Volvo Penta são a escolha perfeita para este projeto. Além de serem potentes e confiáveis, a rede de atendimento é excelente, especialmente na Suécia”. Ele continua, comentando que: “Quando se trata de transporte público, você não pode correr o risco de ter longos períodos de inatividade. O cliente quer ter a certeza, no caso improvável de que algo dê errado, que tudo poderá ser resolvido com rapidez e eficiência e, com a Volvo Penta, temos essa garantia”.

Embora existam quatro motores Volvo Penta D16 a bordo durante a maior parte do tempo, a balsa normalmente só precisa de um motor para acionar suas viagens. Os outros motores são preventivos, necessários apenas em condições climáticas adversas e quando há gelo no mar.

Sander Pielberg, gerente de projetos da Baltic Workboats, explica: “Nosso relacionamento com a Volvo Penta já dura mais de 10 anos; nós conhecemos e confiamos nos produtos deles. Devido aos nossos fortes vínculos com parceiros locais, como a BMG Power Systems, também tivemos o apoio necessário durante todo o projeto”. Ele continua: “Temos as ferramentas, o treinamento e a experiência para instalar esses grupos geradores facilmente, e a potência é extraordinária”.

Além dos motores de velocidade variável D16 MH da Tellus, a Volvo Penta também produz os motores MG. Os motores de velocidade constante compatíveis com o IMO II da Volvo Penta agora produzem 479 kWm a 1.500 rpm e 532 kWm a 1.800 rpm, o que corresponde a um grupo gerador de 50 Hz que proporciona 450 kWe e uma entrega de 500 kWe a 60 Hz. O motor MG tem a classificação de grupos geradores marítimos mais rigorosa, o que garante sua alta produtividade 24 horas por dia, com uma redução do consumo de combustível de até 3% em comparação com a versão mais antiga do motor. Todos os motores Volvo Penta permitem o uso de HVO, o que significa que as emissões podem ser reduzidas a quase zero. A Volvo Penta é um dos únicos fabricantes que produzem grupos geradores de corrente contínua capazes de carregar as baterias e os motores de corrente contínua diretamente em sistemas diesel-elétricos sem baterias.

A mudança para a eletromobilidade é fundamental, e a Suécia foi um dos primeiros países a se comprometer com a redução de suas emissões e eliminar os combustíveis fósseis até 2045. Esses compromissos resultaram na maior demanda de mercado por grupos geradores mais potentes para alimentar sistemas auxiliares, embarcações híbridas e embarcações diesel-elétricas. Para atender a essas demandas de mais energia, a Volvo Penta atualizou sua linha D16 a fim de alcançar 450 e 500 kWe.

O objetivo da Administração de Transportes da Suécia é a adoção integral da eletricidade. No entanto, a infraestrutura atual não consegue respaldar a eletromobilidade integral, e as embarcações elétricas não são capazes de percorrer longas distâncias. Portanto, também temos a tendência de usar esses grupos geradores como sistemas de propulsão alternativos para acionar embarcações híbridas diesel-elétricas até que haja uma infraestrutura de carga em funcionamento. Esse é o caso da balsa Tellus. No momento, os 12 racks de baterias Corvus da Tellus, com capacidade total de 949 kWh, estão sendo carregados à noite por uma estação de carga em terra e também podem ser carregados pelos motores Volvo Penta D16 enquanto estão em operação. Atualmente, a balsa consegue realizar três viagens no modo totalmente elétrico antes que os grupos geradores D16 precisem ser acionados.

Receba notícias de NÁUTICA no WhatsApp. Inscreva-se!

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A nova edição já está disponível nas bancas, no nosso app e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones

Para compartilhar esse conteúdo, por favor use o link da reportagem ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos e vídeos de NÁUTICA estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem nossa autorização (redacao@nautica.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que NÁUTICA faz na qualidade de seu jornalismo.