Conheça a história do violino que resistiu ao naufrágio do Titanic

0
445

Na noite de 14 para 15 de abril de 1912, o mundialmente conhecido naufrágio do Titanic acontecia. O navio Titanic chocara-se com um iceberg no oceano Atlantico.

Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações

Uma das dificuldades enfrentadas pelos vigias e outros funcionários foi a demora na comunicação, o que certamente fez com que a tragédia fosse ainda maior. Contudo, um objeto sobreviveu desse acidente.

Em meio à tragédia, um  instrumento musical foi eternizado na história do naufrágio: um violino que pertenceu ao líder da pequena orquestra da embarcação, Wallace Hartley. O qual, foi um presente de noivado de Maria Robinson a Hartley.

Além disso, uma placa de prata foi fixada no arremate do violino para comemorar o noivado do casal, em 1910, dois anos antes do naufrágio. Originalmente, estudos notaram que o violino tinha sido guardado numa mala, presa às costas do líder da banda no naufrágio.

Contudo, quando o corpo de Hartley foi recuperado pelo navio CS Mackay-Bennett, nenhuma documentação foi encontrada, o que tornou a identificação ainda mais desafiadora.

O diário de Maria, noiva de Hartley, contava com agradecimentos ao secretário provincial de Halifax por ele ter devolvido a ela o violino, três meses depois do naufrágio, numa anotação do dia 16 de julho de 1912.

Outra prova que comprovou a autenticidade do diário veio do censo britânico de 1911, em que foi registrado o endereço de Maria. Assim, a localização escrita no diário era a mesma.

LEIA MAIS:

>> Famoso naufrágio da Croácia fica a 40 metros de profundidade no Mar Adriático

>> Conheça a história da plataforma artificial que se autoproclamou um estado independente

>> Pescadores trabalham sob luz de lanternas no maior lago da África

No ano de 1939, quando Maria Robinson faleceu, sua irmã doou o violino e a mala para o Exército de Salvação. Lá, ele foi dado como presente ao mestre da banda, e depois repassado a um instrutor musical.

Sem saber a origem conclusiva do instrumento, os donos da casa de leilões consultaram especialistas de diversas áreas. Michael Jones, do Serviço de Ciência Forense do Reino Unido, afirmou que a corrosão do metal se devia à imersão do violino em água salgada.

Após as avaliações, a família Aldridge levou o instrumento para realizar uma pesquisa computadorizada minuciosa. Com o exame, diversas rachaduras foram reveladas no ‘corpo’ do violino, condizentes com o trauma do naufrágio.

Outra conclusão foi que a cola utilizada pela fábrica no violino era extremamente forte, capaz de resistir à água fria do mar.

O historiador escocês Stuart Kelly disse que a mãe de Hartley acreditava no filho morrendo agarrado ao violino, pois “ele era apaixonado por seu instrumento”. Wallace Henry Hartley, que morreu com 33 anos, integrou a tripulação do Titanic como maestro. Antes, ele havia liderado orquestras em pequenas cidades inglesas perto de Dewsbury, onde morava.

Por Amanda Ligório, sob supervisão da jornalista Maristella Pereira

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

 

Teste New Sessa C44