Vilarejo holandês onde não existem ruas tem acesso feito por barco

0
1450

Siga o nosso TWITTER e veja a série Dicas Náuticas diariamente.

Amsterdã soma mais de 100 quilômetros em canais, o que rendeu à cidade o apelido de “Veneza do Norte”. Tal característica não é uma exclusividade da capital holandesa, pois no país existe um vilarejo chamado Giethoorn, onde não existem ruas e o acesso só acontece por meio de barco.

Os 2 600 habitantes vivem em ilhas particulares e circulam pelo vilarejo com pequenas embarcações. Os deslocamentos também podem ser feitos a pé, e as travessias ocorrem por meio das 180 pontes de madeira que fazem a conexão ao longo dos cerca de 6,5 quilômetros de canais.

Giethoorn foi fundado no século 13 por um grupo de fugitivos vindos da região do Mediterrâneo, que se estabeleceram ali e começaram a explorar a terra. No entanto, o vilarejo só foi se tornar conhecido em 1958, quando um famoso cineasta holandês usou o local como locação de um filme. Desde então, Giethoorn se transformou em um popular destino turístico.

Leia Mais

>> Festival de cinema de Fort Lauderdale contará com exibições de filmes na água. Saiba mais

>> Sessões de cinema flutuante se tornam alternativa durante a pandemia

>> Paris realizará sessão inédita de cinema flutuante no maior lago artificial da cidade

Além de várias exposições e museus, aos finais de semana, uma embarcação em forma de plataforma leva a banda do vilarejo pelos canais enquanto os integrantes tocam para os habitantes e visitantes. Aliás, para os que decidem conhecer Giethoorn, é possível contratar guias especializados ou alugar embarcações a motor, remo e até mesmo as do tipo gôndola, que se movem com a ajuda de varas que são usadas para empurrar o barco pelo leito do canal.

Muitas das residências que existem hoje em Giethoorn são antigas casas rurais do século 18. As propriedades exibem jardins bem cuidados e repletos de flores, e muitas contam com telhados feitos de palha. Durante o inverno, Giethoorn se torna um popular destino para os que adoram patinar no gelo, que se divertem sobre as águas congeladas dos canais.

 

Os habitantes locais não ficaram muito felizes com a invasão de turistas, alegando que o movimento tirou um pouco do sossego de todos. Isso sem contar que eles também reclamam de que não é nada agradável ter desconhecidos olhando constantemente para dentro de suas casas.

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

Teste Schaefer 770