Veleiro com brasileiros está à deriva na Polinésia Francesa

0
1113

Dois brasileiros que participam de uma expedição em alto mar estão à deriva na Polinésia Francesa. Eles usaram as redes sociais nesta quarta-feira (3) para contar que sofreram um acidente, perderam o leme da embarcação e, desde então, estão à deriva.

Os irmãos Celso Pereira Neto e Lucas Pereira são de Ubatuba e saíram do litoral norte de São Paulo em março de 2018 com o veleiro Kaootsh. Eles velejam parando pelo litoral de vários países em uma volta ao mundo. A expedição é transmitida pelo perfil do veleiro no Instagram.

Nesta quarta, os irmãos fizeram uma postagem alertando que estavam à deriva com a embarcação na Polinésia Francesa. No relato eles explicam que sofreram um acidente que destruiu o leme – parte responsável por nortear a embarcação. Eles explicam que tentaram instalar um leme reserva, mas ainda não conseguiram.

O pai dos dois, Celso Pereira Junior, afirmou que mantém contato com os filhos e monitora a situação. “A gente está aqui confiante de que está tudo certo. Temos mantido contato com eles e os dois estão passando por aquilo que faz parte do show”, disse.

Ele afirma que ainda não há necessidade de pedido por socorro e que os dois estão em segurança, apesar do mar agitado. Além disso, um resgate seria muito difícil devido às condições do mar.

“Os dois têm mobilidade com o veleiro, tem motor. Se derivar em direção às pedras ou ilha, por exemplo, eles ligam o motor e se afastam. Agora é aguentar a chacoalhação do mar para fazer a colocação do leme reserva”.

Segundo Celso, o veleiro dos filhos teria perdido o leme após bater em algum objeto flutuante. “O mar está muito agitado, com tempo pesado, muito vento, muita onda e acabaram batendo em alguma coisa que estava flutuando. Algum container, algo do tipo, que ocasionou a perda do leme”.

Fotos: Reprodução

LEIA TAMBÉM
>>Projetos de dragagem na Austrália visam impulsionar o setor náutico
>>Evento de empreendedorismo em Florianópolis terá exposição de lancha Armatti Yachts
>>Phantom 303: testamos a lancha queridinha do Brasil, agora com motores de popa

À deriva há mais de oito horas, os jovens afirmaram que vão tentar se manter assim até sexta-feira (5) quando a previsão é de melhora no tempo e então vão poder fazer os reparos necessários a embarcação para chegar a terra firme e poder trocar o leme.

“Ficar sem leme numa situação como estão é desconfortável, mas eles têm leme reserva, estão em comunicação com outros barcos, está sob controle. É uma situação extremamente desconfortável, mas estamos confiantes de que até sábado o tempo deve melhorar. Com isso eles tem condição de trocar o leme e seguir viagem”, afirmou o pai dos irmãos.

Acompanhados por mais de 50 mil pessoas na rede e que apoiam a volta ao mundo da dupla, os jovens alertam que o plano pode não dar certo e então teriam que abandonar o veleiro em alto mar e o projeto. Isso porque o mau tempo está arrastando a embarcação contra as rochas e a previsão de mau tempo pode trazer outros problemas técnicos.

“É difícil dizer mas estamos preparados para abandonar o barco e salvar o que temos de mais precioso: as nossas vidas”, publicaram.

O post ainda diz que eles estão com um bote salva-vidas abastecido com suprimentos essenciais para aguardarem o resgate.

Os irmãos estavam seguindo para o norte da região, em busca de temperaturas mais altas para fugir do frio dos últimos dias, segundo o diário de bordo atualizado nesta terça-feira (2). O plano era seguir para a Nova Zelândia, com saída marcada para o dia 25 de setembro.

Receba notícias de NÁUTICA no WhatsApp. Inscreva-se!

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A edição deste mês já está disponível nas bancas, no nosso app
e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones