Cooperativa tenta reviver a tradição de construir barcos de madeira na Nova Escócia, no Canadá

0
1104
Integrantes da cooperativa Heritage Boatyard trabalhando em mais uma embarcação - Imagem: Reprodução

A Nova Escócia é a província canadense que mais reflete tradição náutica. Lá, precisamente no município de Mahone Bay, existe uma herança enraizada em seus habitantes: a construção de barcos de madeira. No entanto, com tantos estaleiros espalhados pelo país, é difícil que tal tradição sobreviva. Sendo assim, a Heritage Boatyard, uma cooperativa sem fins lucrativos, trabalha para reviver esse legado.

Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações

Por mais de 200 anos, a construção de barcos foi o centro dessa comunidade. Os barcos construídos em Mahone Bay atendiam a demanda das cidades vizinhas envolvidas na pesca, transporte e comércio. Majoritariamente, qualquer barco de madeira que navega na região foi produzido nesse pequeno município de apenas mil habitantes.

Um dos barcos já construídos na região – Imagem: Reprodução

O presidente da Cooperativa, David Houston, disse estar empolgado pela tentativa de retomar essa herança deixada pelos antepassados. “A cidade já tem essa tradição de construir barcos de madeira. Logo, devemos fazê-los”, brincou em entrevista ao site CBC News.

Leia mais:

>> Sem saber velejar e distante do mar, mineiro realiza sonho de construir o próprio veleiro

>> O casal que trocou o asfalto do Rio de Janeiro pelas águas do litoral brasileiro

>> Sem passeio de gôndola: canais de Veneza secam devido à falta de chuvas e maré baixa

O lugar onde a mágica acontece – Imagem: Reprodução

Portanto, com apoio de empresas locais, voluntários construíram um galpão para produzir essas embarcações. Lá, são feitos barcos de até 25 pés e todos de madeira, claro.

Para participar dessa oficina de construção, não é necessário nenhuma experiência prévia. “Eu não tinha ideia de como fazer isso. Aprendi como fazer o molde, a cortar a madeira corretamente… está sendo difícil”, disse Tim Creedon, novato nessas confecções.

Galpão por dentro – Imagem: Reprodução

De pouco em pouco, a ideia por trás dessa organização vai se consolidando: honrar a cultura local e aproveitar para que a comunidade trabalhe, por diversão, pelo mesmo objetivo. Além da intenção de não deixar esse legado cair no esquecimento dos mais jovens.

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

Sedna