Scheidt garante vaga na medal race do evento-teste para Olimpíada de Tóquio

0
595
Foto: Cecilia Yoshizawa

Robert Scheidt vai disputar sua primeira medal race em seu retorno às grandes competições na Classe Laser. Após “bater na trave” nos três campeonatos anteriores (Troféu Princesa Sofia, Semana de Vela de Hyères e Campeonato Mundial), o bicampeão olímpico larga entre dez melhores barcos do Read Steady Tokyo nesta quinta-feira (22), em Enoshima, no Japão. “Um objetivo está cumprido, que é fazer a primeira regata da medalha de 2019. Eu gostaria de entrar na raia do evento-teste para a Olimpíada melhor classificado, mas o importante é seguir em frente, evoluindo rumo aos Jogos de Tóqui/2020”, avaliou.

Scheidt garantiu a última vaga na medal race após um dia difícil em Enoshima. “O vento estava muito fraco e, infelizmente, não consegui executar bem as largadas, que foram o ponto chave nas duas regatas. Tentei ainda recuperar, mas não tinha muita opção. Com isso, acabei fazendo 18° e 19°. Porém, apesar do dia ruim em termos de resultado, consegui me manter no top 10, caindo de oitavo para décimo lugar. Agora é tentar subir um pouco mais. Pelas minhas contas, dá para chegar até em oitavo. O nível aqui é altíssimo”, explicou o atleta.

Com 105 pontos perdidos após dez regatas no Read Steady Tokyo, Scheidt está a 40 pontos do terceiro colocado, o norueguês Hermann Tomasgaard, que tem 65. O líder da fase de classificação, o suéco Jesper Stalheim, soma 60. Robert gostaria de ter sido mais regular em Enoshima, mas enfrentou problemas com a juria. Levou duas bandeiras amarelas pela regra 42, na qual os juízes entendem que o velejador usou o movimento do corpo para aumentar a velocidade do barco, ação conhecida por bombear. Com isso, perdeu posições em uma regata e foi obrigado a se retirar da segunda, o que lhe custou pontos importantes. Mesmo assim, garantiu um lugar entre os dez melhores entre 35 barcos.

Scheidt está classificado para os Jogos de Tóquio e é o único brasileiro entre os 35 barcos que disputam o evento-teste em Enoshima. Porém, ainda precisa esperar a convocação final para a delegação brasileira para confirmar presença na Olimpíada de 2020. De acordo com o critério da Confederação Brasileira de Vela (CBVela), ele só perde a vaga se outro atleta do Brasil subir ao pódio no Mundial da Laser em 2020.

LEIA TAMBÉM
>>Conheça três novidades que a Volvo Penta apresentará no São Paulo Boat Show
>>Falta um mês para a 22ª edição do São Paulo Boat Show
>>Robert Scheidt fica no top 10 em primeiro dia de evento-teste da Olimpíada

O Ready Steady Tokyo é a quarta grande competição de Scheidt em seu retorno à classe Laser, após cerca de dois anos afastado. E pode ser encarado como o quarto degrau para disputar a sétima Olimpíada da carreira. Ele já fez história ao garantir índice para os Jogos de Tóquio/2020 com o 12° lugar no Campeonato Mundial da Classe Laser 2019, em Sakaiminato, no Japão, dia 9 de julho. Agora, quer mais. Quer evoluir para ter condições de lutar pelo pódio no Japão. Se conseguir, vai acrescentar mais uma medalha a sua coleção de cinco, o que já faz dele o recordista do Brasil em número de medalhas olímpicas, junto com Torben Grael.

Receba notícias de NÁUTICA no WhatsApp. Inscreva-se!

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A nova edição já está disponível nas bancas, no nosso app e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones

 

Para compartilhar esse conteúdo, por favor use o link da reportagem ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos e vídeos de NÁUTICA estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem nossa autorização (redacao@nautica.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que NÁUTICA faz na qualidade de seu jornalismo.