Scheidt mostra evolução e ganha posições no Campeonato Mundial da Classe Laser, na Austrália

0
196
Foto: Jon West Photography

O vento entrou com mais força no segundo dia do Campeonato Mundial da classe Laser 2020, no Sandringham Yacht Club, em Melbourne, na Austrália, e Robert Scheidt começa a subir posições. Nesta quarta-feira (12), o bicampeão olímpico conseguiu cruzar a linha de chegada em 12° e 10° nas duas regatas disputadas, uma evolução em relação à estreia. Com isso, foi da 40ª para a 37ª colocação entre 124 velejadores. Nesta quinta-feira (13), ele larga para mais duas provas, as últimas da fase de classificação, lutando para se classificar para a flotilha ouro na fase final.

“Fiz duas regatas médias nesse segundo dia aqui na Austrália. Não foram nem muito boas, nem ruins. Ainda estou sofrendo um pouco na parte inicial das disputas, não acertei muito as decisões e isso está custando um pouco caro. Mas o campeonato é longo, já melhorei um pouco no vento em popa, que não estava muito bem na estreia do Mundial. É seguir tentando para evoluir a cada dia um pouco mais”, afirmou o maior medalhista olímpico do Brasil, com cinco pódios.

A evolução gradual de Scheidt se mostra nos números. Na estreia em Melbourne, ele obteve um 16° e um 11° lugares, terminando o primeiro dia entre os 40 primeiros. Após as regatas desta quarta-feira e com a entrada do descarte, o velejador brasileiro tem 33 pontos perdidos e ganhou três posições na classificação geral. A liderança do Campeonato Mundial é do alemão Philipp Bhul, que venceu as duas provas da sua flotilha (os velejadores estão divididos em três grupos) e tem apenas 3 pontos perdidos. O outro brasileiro na disputa, Gustavo Nascimento, ocupa o 89° lugar.

LEIA TAMBÉM

>>Teste Azimut 62: navegamos 134 milhas entre Santos e Angra na nova lancha da Azimut Yachts
>>Mercado de embarcações de lazer deve crescer em 2020
>>Ventura Marine inaugura loja conceito no Rio de Janeiro

Classificado para a sétima Olimpíada – recorde entre os atletas brasileiros – Scheidt disputa o Mundial focado em elevar seu nível competitivo visando uma boa participação nos Jogos de Tóquio, a partir de julho. Aos 46 anos, é um veterano diante de velejadores até 20 anos mais jovens em uma classe que exige muito do corpo. “A disputa é dura, com seis dias diretos de competição. Sigo trabalhando para construir uma boa média, evitar grandes erros e avançar para a etapa final, quando o campeonato é realmente decidido”, completou Robert.

Dono de 14 troféus de campeão do mundo – 11 na Laser e três na Star – o bicampeão olímpico retornou à classe Laser em 2019, após quase três anos ausente, desde os Jogos do Rio/2016, onde terminou na quarta colocação mesmo vencendo a medal race. Nesse período de readaptação às novas técnicas e nova mastreação, cumpriu seu objetivo principal, que foi o índice para Tóquio, com o 12° lugar no Campeonato Mundial da Classe Laser 2019, em Sakaiminato, no Japão, em julho.

Na volta à vela olímpica, Scheidt disputou outras três grandes competições. A última foi o Ready Steady Tokyo, no final de agosto de 2019, em Enoshima, quando terminou em 10° lugar, chegando à medal race pela primeira vez desde que decidiu interromper a aposentadoria da classe Laser. Ele ficou próximo da regata da medalha no Troféu Princesa Sofia e na Semana de Vela de Hyères.

Receba notícias de NÁUTICA no WhatsApp. Inscreva-se!

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A nova edição já está disponível nas bancas, no nosso app e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones

Para compartilhar esse conteúdo, por favor use o link da reportagem ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos e vídeos de NÁUTICA estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem nossa autorização (redacao@nautica.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que NÁUTICA faz na qualidade de seu jornalismo.