Robert Scheidt fica no top 10 em primeiro dia de evento-teste da Olimpíada

0
500

Classificado para os Jogos de Tóquio-2020 na classe Laser, o brasileiro Robert Scheidt iniciou, neste sábado (17), em Enoshima, no Japão, a sua participação no Ready Steady Tokyo, evento-teste da vela para a Olimpíada de 2020. Maior medalhista olímpico do Brasil ao lado de Torben Grael, com cinco pódios cada, sendo dois deles com ouros, obtidos em Atlanta-1996 e Atenas-2004, o velejador se manteve no Top 10 nas disputas do dia, no qual cruzou a linha de chegada com um oitavo e um sexto lugares nas regatas de abertura da competição.

“As condições são bem duras aqui, com ventos entre 16 a 18 nós e muitas ondas. E foi um dia bom para mim. Eu poderia ter ido um pouquinho melhor na segunda prova, mas fazer duas regatas no Top 10 é uma boa média. A semana é longa, ainda faltam oito regatas e estou contente com a maneira como iniciei a disputa”, afirmou Scheidt, ao comentar o seu desempenho neste sábado.

O evento-teste será a quarta grande competição de Scheidt em seu retorno à Laser, após cerca de dois anos afastado desta classe da vela. E no último Mundial da Laser, realizado no mês passado, em Sakaiminato, também no Japão, ele fez história ao terminar em 12º lugar e garantir índice para a Olimpíada de Tóquio. Com isso, ele está prestes a se tornar o recordista brasileiro em participações em Jogos Olímpicos, com sete no currículo.

LEIA TAMBÉM
>>Conheça três novidades que a Volvo Penta apresentará no São Paulo Boat Show
>>Falta um mês para a 22ª edição do São Paulo Boat Show
>>Robert Scheidt fica no top 10 em primeiro dia de evento-teste da Olimpíada

O experiente e lendário velejador de 46 anos também analisou neste sábado a raia de disputas em Enoshima, onde serão realizadas as competições da vela na Olimpíada de 2020. “O que já deu para sentir é que, além do vento forte, o calor também demanda mais energia. Isso significa que a preparação física será fundamental. Em função das ondas, outro ponto que dá para melhorar é o popa. Neste evento-teste, meu objetivo é me manter entre os dez melhores, um resultado melhor do que no Mundial. Isso é importante, principalmente, pelo fator motivacional. Mas o fundamental nesta semana em Enoshima é entender quais são os melhores caminhos quanto à preparação para Tóquio-2020”, ressaltou o atleta.

De acordo com o critério estabelecido pelo Conselho Técnico da Vela (CTV) e ratificado pela Confederação Brasileira de Vela (CBVela), o bicampeão olímpico só perde a vaga se outro atleta do Brasil for medalhista no evento-teste de Enoshima – onde é o único velejador brasileiro na Classe Laser – ou subir ao pódio no Mundial da Laser em 2020.

Receba notícias de NÁUTICA no WhatsApp. Inscreva-se!

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A nova edição já está disponível nas bancas, no nosso app e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones

 

Para compartilhar esse conteúdo, por favor use o link da reportagem ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos e vídeos de NÁUTICA estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem nossa autorização (redacao@nautica.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que NÁUTICA faz na qualidade de seu jornalismo.