Rio 2016

0
902

Aproveitando o dia do atleta e diante da tocha olímpica, a Confederação Brasileira de Vela (CBVela) apresentou oficialmente, no último dia 21, a Equipe Brasileira de Vela que irá disputar os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. No evento realizado no mirante do Morro da Urca, com a Baía de Guanabara ao fundo, a entidade aproveitou para homenagear os medalhistas olímpicos da vela brasileira e anunciar que todos eles serão padrinhos dos 15 velejadores classificados para a Rio 2016.

“Esse evento é uma grande celebração do excelente ano da Equipe Brasileira, o esforço que fizeram para chegar onde estão. A celebração de um time que lutou contra concorrentes poderosos. Ao mesmo tempo é uma homenagem a todos que nos ajudaram a chegar até aqui. Os medalhistas olímpicos, atletas que transformaram a vela no esporte mais vitorioso de todos os tempos do Brasil”, afirmou o presidente da CBVela, Marco Aurélio de Sá Ribeiro.

Em um dia histórico para a vela brasileira, os medalhistas olímpicos receberam da CBVela um troféu em homenagem às conquistas olímpicas. Os homenageados levaram suas medalhas, que ficaram expostas durante todo o evento. Já os atletas classificados para os Jogos Olímpicos Rio 2016 ganharam um diploma com a convocação para o evento esportivo.

Numa ação inédita na história da vela nacional, a CBVela decidiu tornar os medalhistas olímpicos padrinhos dos velejadores que terão a importante missão de representar o país na primeira edição dos Jogos Olímpicos na América do Sul e, mais importante ainda, no Brasil. Donos da primeira medalha de ouro olímpica da vela brasileira, Alex Welter e Lars Bjorkström serão os padrinhos de Robert Scheidt, maior medalhista olímpico brasileiro, com cinco láureas, sendo duas de ouro.

Ronaldo Senfft foi selecionado para ser o padrinho de Fernanda Decnop, da Laser Radial. Eduardo Penido e Kiko Pelicano serão os padrinhos de Henrique Haddad e Bruno Bethlem, velejadores da classe 470 masculina. Coordenador técnico da CBVela, Torben Grael, ao lado de Nelson Falcão, será o padrinho do filho Marco Grael e de Gabriel Borges, dupla da 49er.

Lars Grael e Clinio de Freitas serão os padrinhos de Samuel Albrecht e Isabel Swan, atletas que vão competir na classe estreante em Jogos Olímpicos Nacra 17. Bicampeão olímpico, Marcelo Ferreira será o padrinho de Ricardo Winicki, o Bimba, da RS:X masculina, enquanto Marcos Soares foi escolhido para apadrinhar Patricia Freitas, da RS:X feminina.

Antigo rival e parceiro de treino de Jorge Zarif na classe Finn, Bruno Prada, ao lado de Peter Ficker, será o padrinho do pupilo. Os veteranos Reinaldo Conrad e Burkhard Cordes foram escolhidos para serem padrinhos de Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan, da 470 feminina. E novamente Torben e seu irmão Lars, acompanhados de Daniel Adler, serão os padrinhos de Martine Grael e Kahena Kunze, que estreiam em Jogos Olímpicos, assim como a classe, a 49erFX.

“É um evento de grande importância histórica para a vela brasileira. É um esporte que temos o orgulho das 17 medalhas conquistadas. Mas muitas vezes a geração atual teve sequer contato com quem abriu o caminho e construiu esta credibilidade para que eles tivessem o grande apoio de hoje em dia. Este encontro entre passado, presente e futuro tem como grande apelo a inspiração. Quem deu certo lá atrás, contrariando a lógica, a falta de apoio, vai trazer conhecimento e uma bagagem de experiência importante para os nossos velejadores”, disse Lars Grael.

A EQUIPE BRASILEIRA DE VELA NA RIO 2016

Laser: Robert Scheidt
Laser Radial: Fernanda Decnop
49er: Marco Grael e Gabriel Borges
49erFX: Martine Grael e Kahena Kunze
Finn: Jorge Zarif
470 feminina: Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan
470 masculina: Henrique Haddad e Bruno Bethlem
Nacra 17: Samuel Albrecht e Isabel Swan
RS:X feminina: Patricia Freitas
RS:X masculina: Ricardo Winicki, o Bimba

Foto: Fred Hoffmann

Assine a revista NÁUTICA: www.shoppingnautica.com.br