Quinto

0
1778

Depois de bater na trave no evento-teste da Rio-2016, Robert Scheidt voltou a ficar sem medalha no Mundial de Vela de Santander, na classe Laser. O bicampeão olímpico na categoria ficou com o quinto lugar, nesta quinta-feira (18). Dono de onze títulos mundiais na Laser, o brasileiro foi o quarto colocado na medal race, chegando a duelar diretamente com o holandês Nicholas Heiner, campeão da regata e da competição, e ficou a apenas nove pontos da medalha de bronze. Completaram o pódio o australiano Tom Burton, vice-campeão, e o inglês Nick Thompson, medalha de bronze.

“Claro que eu gostaria que o resultado tivesse sido um pouco melhor, mas fiz o melhor que pude. Tive uma boa largada, e foi uma bela medal race”, definiu Scheidt, dono de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze), entre as classes Laser e Star.

A experiência de 11 títulos mundiais na Laser e outros três na Star, além de mais três medalhas de prata e uma de bronze, contou a favor de Scheidt no início da competição. O brasileiro chegou a liderar o Mundial já no segundo dia de disputas, com uma vitória e outros dois resultados entre os três primeiros colocados. Mas na fase final, o mau tempo e as poucas regatas disputadas com vento fraco pesaram na classificação do atleta, que competiu com outros 148 velejadores, na classe mais numerosa em Santander.

“Não foi um grande campeonato para mim, mas o quinto lugar num Mundial não é para desprezar. Além disso, estou velejando bem, com uma boa velocidade, e melhorando da lesão que sofri no evento-teste no Rio”, analisou o brasileiro, patrocinado pelo Banco do Brasil, Rolex e Deloitte, com os apoios de Audi, COB e CBVela. O próximo desafio de Scheidt é a Copa Brasil, em dezembro. “Agora é focar na preparação para os Jogos do Rio, para chegar bem em 2016. Temos esse evento em dezembro, o Pan-Americano no ano que vem.”

O Mundial de Vela de Santander também é um evento pré-olímpico, valendo vaga para os Jogos do Rio de Janeiro/2016 para parte dos competidores. Os que não conseguirem se classificar durante o evento ainda terão outra chance em 2015, nos Mundiais de cada classe.

Foto: Thom Touw

 

Curta a revista Náutica no Facebook e fique por dentro de tudo que acontece no mundo náutico.

 

Evino