Proprietários de estaleiro do Recife foram presos nesta quinta-feira na Operação Mar Aberto

0
2376

A polícia prendeu, nesta quinta-feira (9), o empresário José Pinteiro da Costa Neto, dono de um estaleiro e uma marina no Recife. Além dele, outras oito pessoas também foram presas — uma delas em São Paulo —na Operação Mar Aberto, iniciada em dezembro de 2017, com objetivo de prender praticantes dos crimes de lavagem de dinheiro, crime tributário e organização criminosa. Os envolvidos também são suspeitos de desvio de recursos públicos. A operação foi comandado pelo Departamento de Repressão à Corrupção e ao Crime Organizado (Draco), coordenado pela delegada Sylvana Lelis.

Além de José Pinteiro Neto, também foi preso o filho dele, José Pinteiro, conhecido como Jopin, um DJ muito conhecido nas baladas do Recife. Um sobrinho do empresário, Aníbal Pinteiro, organizador de eventos envolvido em festas muito populares na capital pernambucana, também é alvo da ação. A esposa de José Pinteiro Neto também foi presa. A empresa investigada na operação é a Ecomariner, estaleiro com mais 20 anos de atuação no segmento de barcos de passeio. O empreendimento é administrado por vários integrantes da família Pinteiro. O grupo também é proprietário de um prédio empresarial no bairro do Pina, Zona Sul do Recife.

LEIA TAMBÉM
>>Rio Boat Show 2019 contou com a presença da Marinha do Brasil
>>Rio Boat Show contou com presença da Grow Deck
>>Sapatilhas antiderrapantes exibidas no Rio Boat Show são ideais para uso náutico

“Aproximadamente R$ 65 milhões em tributos foram sonegados pelos suspeitos. Até agora, na nossa investigação, são 11 empresas. Carros apreendidos, jóias, embarcações. Espero que, com o transcorrer da investigação, a gente consiga reverter isso para o estado”, afirma o delegado Jean Rockfeller.

A polícia também deve cumprir 18 mandados de busca e apreensão domiciliar no Recife, na Paraíba e em São Paulo. Vinte e oito carros de luxo, 15 imóveis e quatro embarcações foram apreendidas na ação de hoje. O grupo movimentou cerca de R$ 300 milhões em cinco anos. Diversas contas bancárias dos suspeitos foram bloqueadas pela Justiça.

Receba notícias de NÁUTICA no WhatsApp. Inscreva-se!

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A edição deste mês já está disponível nas bancas, no nosso app
e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones