Pintura de Picasso é apreendida a bordo de iate em ilha da França

0
537

O bilionário espanhol Jaime Botin, membro da família que administra o banco Santander SA, foi condenado a 18 meses de prisão e recebeu uma multa de £ 44,6 milhões (52,4 milhões de euros), além de ser considerado culpado de “contrabando de bens culturais” por remover a pintura de Pablo Picasso “Head of a Young Woman” do território nacional sem licença.

Picasso pintou “Head of a Young Woman” aos 24 anos de idade, no início de 1900, e Botin adquiriu a peça em 1977. Embora as obras de arte enfeitem as paredes de muitos superiates, existe uma maneira de possuí-las com relação às leis do Patrimônio Cultural existentes.

Na Espanha, essas leis são algumas das mais rigorosas da Europa. Botin solicitou uma licença de exportação para o Picasso, mas foi rejeitada. Ele então, de acordo com os relatórios do tribunal, tentou se esquivar dessa lei, contrabandeando a pintura da Espanha a bordo do superiate de 67 metros Adix, uma escuna de três mastros.

LEIA TAMBÉM

Segundo a Córsega, Botin havia planejado levar a pintura para Genebra em um jato particular. Quando a polícia francesa recebeu a notificação de que Botin havia solicitado uma autorização para transportar a pintura, eles inspecionaram o iate e encontraram a obra na cabine do capitão, embrulhada.

“Os capitães de iates são responsáveis ​​por seguir as regulamentações – assim como os capitães de aeronaves – por razões óbvias, e por isso devem entender as implicações regulatórias das belas artes e outros objetos”, comentou Pandora Mather-Lees, especialista em arte que fornece ‘Art on Yachts Treinamento e Apreciação’. Obviamente, não se espera que capitães ou tripulantes saibam a diferença de valor de uma obra de arte para outra, mas a crescente atenção da mídia em casos como o de Botin pode resultar em uma exigência desse conhecimento.

Embora peças de arte contemporânea e moderna, no valor de milhões, possam ser exibidas com frequência, os capitães e a tripulação provavelmente não serão informados disso. “Aqueles que participaram de minhas oficinas ficam extremamente preocupados quando sabem (o preço da obra de arte) e perguntam sobre o seguro, quem é responsável se houver um acidente e por que os proprietários não explicaram isso a eles ou receberam instruções adequadas de manuseio”, finalizou Mather-Lees.

Receba notícias de NÁUTICA no WhatsApp. Inscreva-se!

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A nova edição já está disponível nas bancas, no nosso app e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones

Para compartilhar esse conteúdo, por favor use o link da reportagem ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos e vídeos de NÁUTICA estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem nossa autorização (redacao@nautica.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que NÁUTICA faz na qualidade de seu jornalismo.

Schaefer770