O imponente Phocea, nascido para as grandes viagens, afundou, após um incêndio

0
2389
phocea

Muita água passou sob o casco do Phocea, que ganhou o mar em 1976, como um iate de quatro mastros para competir na célebre Transat/OSTAR – a Observer Single Handed Trans Atlantic Race, uma regata transoceânica entre a Inglaterra e os Estados Unidos, disputada a cada quatro anos. Uma história ao mesmo tempo bonita e atribulada, que terminou tragicamente, após o barco ser vítima de um incêndio e afundar, na Malásia.

Com nada menos que 76 metros (o tamanho de um Jumbo 747) de puro deleite e conforto, o Phocea foi projetado para que o velejador Alain Colas, sozinho, quebrasse recordes oceânicos, a começar pela OSTAR de 1976. O barco então se chamava Club Mediterranée (um dos patrocinadores da equipe) e foi equipado com computadores, dispositivos de aviso de colisão, energia renovável para alimentar os sistemas e velas que podiam ser operadas por controles remotos. Mas — mesmo com toda a tecnologia, futurística para a época — não conseguiu vencer a prova, chegando sete horas e meia depois do vencedor daquele ano. Esse “fracasso” inicial como veleiro de corrida mudou radicalmente sua vocação.

Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações

Alain Colas gostava de registrar sua presença por onde passasse. Não à toa, ele já havia completado a primeira volta ao mundo com um multicasco quando decidiu construir essa embarcação em Toulon, na França, como barco de regatas. O responsável pelo projeto foi o arquiteto naval Michel Bigouin, designer de uma parte dos veleiros Pen-Duick, que faziam parte da série do lendário velejador francês Eric Tabarly, que fez história entre as décadas de 50 e de 80.

phocea
Alan Colais, a bordo do Club Méditerranée

Leia também

» Marinha chinesa adiciona 200 ancoradouros ao porto de Sai Kung

» EUA mostram que os boat shows presenciais estão de volta e atraindo grande público

» Atualização no canal de Suez: cargueiro volta a flutuar e tráfego é liberado

Em 1978, o Mediterranée zarpou para a Polinésia Francesa para começar carreira comercial, levando turistas endinheirados para passeios de um dia entre Bora Bora, Papette e Morea. No mesmo ano, Colas decidiu competir com o veleiro novamente na primeira edição da regata Ruta del Ron. Tragicamente, porém, o francês enfrentou uma tempestade nos Açores, e desapareceu. A operação de busca durou semanas e não teve resultados. Anos depois do acidente, apenas a embarcação foi encontrada.

phocea

O responsável pelo resgate foi o magnata Bernard Tapie, que ficou encantado com a embarcação. Depois dos trâmites necessários, ele não apenas salvou o veleirocomo contratou seu criador, Michel Bigouin, para restaurá-lo e transformá-lo em uma embarcação totalmente diferente. O gigante ganhou um novo motor Rolls-Royce de 800 hp e teve as nove cabines de passageiros inteiramente remodeladas. O nome original foi então trocado em homenagem aos Phoceas, fundadores de Marselha, terra de Tapie.

Tapie tinha um objetivo em vista: bater o recorde de travessia do Atlântico, de oeste a leste, em menos tempo que o capitão Charly Barr, na vitória de 1905. E conseguiu alcançar a façanha, batendo o recorde histórico do mesmo percurso da OSTAR, com 8 dias, 3 horas e 29 minutos — marca 4 dias melhor que a de Charly.

Quando Tapie caiu em desgraça, por causa de um escândalo envolvendo o time de futebol comandado por ele, o Olympique de Marselha, o Phoceas novamente mudou de rumo e mãos: a milionária libanesa Mouna Ayoub.

Mouna precisou de apenas US$ 5 milhões para comprar o barco e investiu outros US$ 20 milhões numa segunda completa remodelação. Colecionadora de arte e de joias, fez o interior do barco refletir o requinte de suas coleções. Além disso, abaixou a altura dos mastros, aumentou o espaço de vida e fez uma série de reparos técnicos. Ficou com ele por 13 anos.

phocea

Em 2010, o Phocéa troco de mãos novamente. Seu quarto ciclo foi sob a posse de dois sócios: o bilionário Xavier Niel e os fundadores da Pixmania, Steve e Jean-Émile Rosenblum. A embarcação foi registrada em Malta, com o intuito de ser alugada. Para gerir as novas tarefas do veleiro, os proprietários contrataram um homem chamado Pascal Saken, que, ao que tudo indica, é suspeito de cometer vários crimes, de acordo com a imprensa local.

No ano de 2013, o Phocéa foi danificado por uma tempestade, e, em seguida, transportado para um estaleiro na Tailândia, pertencente a Pascal Saken. Desde então, ele tem se afirmado como dono do navio, e o rebatizou de Enigma.

phocea

Em 12 de fevereiro deste ano de 2021, o agora Enigma navegava pela Malásia, quando pegou fogo e afundou. Resgataram-se sete tripulantes. As autoridades abriram uma investigação para determinar as causas do incêndio. O antigo proprietário, Bernard Tapie, ao ouvir a notícia, deu um depoimento lamentoso: “É algo tão triste que cheguei a chorar”. Triste sina.

Por Naíza Ximenes, sob supervisão da jornalista Maristella Pereira.

Gostou desse artigo? Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações para ser avisado sobre novos vídeos.

Tethys Yachts