Pescadores trabalham sob luz de lanternas no maior lago da África

0
736
Pescadores se preparando para uma noite de pesca, no Lago Vitória, no Quênia - Imagem: Jeffrey Walcott

Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações

Conforme o sol se põe sobre as águas do Lago Vitória, o barulho das ondas quebrando é abruptamente abafado pelo ronco dos motores dos pesqueiros que surgem no horizonte. Os pequenos barcos parecem fazer parte da paisagem. À medida que o brilho do dia vai se perdendo, eles se fazem mais presentes.

Há séculos, as águas do Lago Vitória são tomadas por barcos pesqueiros que, durante a noite, garantem a alimentação de diversas tribos — nas mais de três mil ilhas — espalhas pelo lago, que abrange os territórios do Quênia, Tanzânia e Uganda. Com 68 870 km² de área (quase a área da Irlanda), o lago é o maior do continente africano.

Em uma noite no lago, a bordo do pesqueiro dos irmãos Mike e Robinson Okeyo, o  fotojornalista Jeffrey Walcott detalhou como é a saga dos pescadores noturnos do Lago Vitória na coluna “Boats and Boating”, (Barcos e passeios de barco), do New York Times.

O brilho da noite no Lago Vitória – Imagem: Jeffrey Walcott

Como é noite, a superfície do lago se confunde com uma cidade: cheia de luz. Ao anoitecer, as estrelas são ofuscadas pelas lanternas e os pescadores flutuam nas águas para atrair os peixes à suas redes. Outrora, a maioria usava lanternas de parafina, mas agora estão mudando para o uso de lâmpadas portáteis (e recarregáveis) alimentadas por pequenos painéis solares.

A partir disso, todos os pescadores só tem olhos para uma espécie de peixe, que é própria e única dessa região: o “omena”. Para você que se perguntou: “O que é um omena?”, não preocupe, essa espécie só é encontrada na água doce do Lago Vitória.

Pescador preparando um dos seus companheiros de trabalho – Imagem: Jeffrey Walcott

Mas, por que pescam à noite?

Segundo Mike Okeyo, que há cinco anos se aventura nessas águas, quando é dia o omena se esconde, mas às noites, com o auxílio da luz das lanternas, o peixe sobe até a superfície, facilitando o trabalho dos 400 barcos que pescam omena depois que o sol se põe.

Apesar do alto número de pescadores, o omena ainda é um peixe mais fácil de capturar quando comparado à perca do Nilo ou à tilápia, que têm sofrido uma sobrepesca crônica na região. “É o único peixe confiável, porque é muito fácil de pescar”, disse Mike Okeyo. “A tilápia e a perca do Nilo precisam de muito suor para serem capturadas”, acrescenta.

Omenas secando – Imagem: Jeffrey Walcott

Consequentemente, o número de peixes está diminuindo à medida que mais pescadores buscam a profissão para se sustentar. A facilidade de se pegar o omena pode ser relativa, pois os pescadores têm que passar a noite inteira em pequenos barcos, com tripulações de até cinco pessoas. Nenhuma captura é garantida. A competição aumentou tanto que às vezes a violência irrompeu no lago — o que, na pior das hipóteses, resultou em afogamentos.

Como funciona a comercialização dos omenas

No final de cada noite, os pescadores de omena puxam suas lanternas e se dirigem para a costa, onde o preço do omena é mais alto. Normalmente, são vendidos para dois tipos de clientes: os locais, que secam o peixe e vendem aos consumidores; ou empresas, que usam o peixe na criação de ração animal.

Pescadores e gerentes de mercado medem colheres de omena para serem vendidas aos residentes da Ilha de Mfangano, no Quênia. Essa ilha é usada como “base” para os pescadores quenianos.

Mais um dia de trabalho chegando ao fim – Imagem: Jeffrey Walcott

Em outros casos, os pescadores quenianos encontraram problemas com as autoridades de Uganda, visto que a fronteira entre Uganda e Quênia fica a quase um quilômetro da ponta da Ilha de Mfangano. A pena para cruzar a fronteira não marcada na água pode ser enorme, cobrada com multas ou confisco de equipamentos.

Independentemente do cliente, o salário ganho ajuda quase todos na comunidade. “A indústria pesqueira teve um impacto positivo nas vidas dos pescadores e da população da Ilha de Mfangano”, explica Robinson Okeyo. “Vários jovens estão investindo no negócio, que em troca está criando oportunidades de emprego”, completa.

A pesca sendo a fonte de tudo, até de quem não é pescador – Imagem: Jeffrey Walcott

Ao mesmo tempo, a pesca, disse ele, também apoia outros negócios auxiliares: lojas, restaurantes, construtores de barcos e mecânicos de popa. Em suma, é interessante de se pensar o quanto um ecossistema pode ter um impacto social na vida de tantas pessoas, envoltas da mesma comunidade.

Por Gustavo Baldassare sob supervisão da jornalista Maristella Pereira

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

 

Teste Azimut 62