Navio que naufragou com 4 mil carros dentro começa a virar sucata nos EUA

0
1197
Imagem: Divulgação

Siga nosso TWITTER e veja a série Dicas Náuticas diariamente.

Em setembro de 2019, o MV Golden Ray, um navio de carga de 200 metros, naufragou em St. Simons Sound, perto do Porto de Brunswick, na Geórgia, nos Estados Unidos, com mais de quatro mil carros zero-quilômetro a bordo. Pouco mais de um ano depois, a equipe responsável por sua remoção finalmente concluiu o primeiro corte do cargueiro.

O “fatiamento” do navio começou no dia 6 de novembro, e a ideia é cortá-lo em oito partes. Toda essa operação é promovida por um guindaste flutuante, que corta o casco da embarcação em vários pedaços.

Como funciona o fatiamento – Imagem: Divulgação

Na medida que os cortes vão acontecendo, pedaços de metal e dos próprios carros vão caindo na água, mas os dejetos são recolhidos por uma equipe no local. A proa do cargueiro já se foi, agora, segundo as autoridades locais, os preparativos para o segundo corte já foram iniciados.

“Este é nosso primeiro grande marco na operação. Validamos o método geral de remoção enquanto continuamos a refinar nossas estratégias para aumentar a eficiência dos próximos seis cortes”, disse o Comandante Efren Lopez, Coordenador da Guarda Costeira dos EUA.

Vista aérea – Imagem: Divulgação

Leia também

» Nirvana IV: o veleiro que une tecnologia, inovação e sustentabilidade

» Estaleiro polonês lança catamarã ecológico com nova tecnologia de energia solar

» Estaleiro chinês lança catamarã de 56 pés em salão náutico internacional. Confira

Apesar de toda operação ser friamente projetada e modelada, ela continua sendo altamente complexa e complicada, segundo o subcomandante Tom Wiker, da empresa Gallagher Marine Systems, que atua no local.

Os carros- Imagem: Departamento de Recursos Naturais da Georgia

Os carros também sofreram corrosão causada pelo contato prolongado com a água salgada. Havia carros da Kia e da Chevrolet, e o eventual destino desses automóveis era o Oriente Médio.

No entanto, suas peças, depois de retiradas do navio, serão enviadas para reciclagem em um estaleiro no Estado da Louisiana. A expectativa é que essa operação se alongue nos próximos dois meses.

Por Gustavo Baldassare sob supervisão da jornalista Maristella Pereira

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

 

Evino