Em meio à pandemia do Coronavírus, os barcos estão voltando a navegar em Hong Kong

0
402

Com uma paisagem natural que lembra o Rio de Janeiro, uma bela baía e um movimentado porto, Hong Kong fica ainda mais bonita quando vista a partir do mar, já que oferece a possibilidade de contemplar o mais famoso skyline do mundo — o cenário é incrível, tanto de dia quanto à noite, quando é possível apreciar o show de luzes de neons nos célebres arranha-céus. Não por acaso, um passeio de barco por Victoria Harbour é algo que não nenhum visitante da ex-colônia britânica deveria perder. Devido à pandemia de coronavírus, porém, a orla da ilha ficou a ver navios, literalmente, nos últimos meses, embora as empresas de fretamento de iates, lanchas e veleiros tenham permanecido em operação durante todo o tempo.

Lentamente, os barcos estão voltando, para alívio de quem ama navegar. “No último fim de semana, nunca vimos tantos barcos nas águas ao redor de Sai Kung, com as tripulações passando duas ou três noites a bordo. Isso é ótimo de se ver”, conta Rob Allen, do Iate Clube Hebe Haven.

O gerente de fretamento da Simpson Yacht faz coro com o amigo. “O uso do barco definitivamente aumentou no fim de semana, embora ainda não voltemos ao normal. Algumas semanas atrás, tínhamos zero charters em execução. No último fim de semana prolongado, tivemos oito fretamentos, além de seis reservas para esta semana”, explica May Choi.

LEIA TAMBÉM
>> NÁUTICA Live #2: quais os impactos do COVID-19 no setor de marinas e iates clubes?>> Posso ou não navegar? Autoridades apontam soluções durante NÁUTICA Live
>> Azimut Yachts apresenta versão 2020/2021 de iate de 83 pés

Para estimular o aluguel de seus barcos, o Simpson Yacht Charter tem feito promoções, com a oferta de noites gratuitas no hotel Hong Kong St. Regis e tarifas com desconto em passeios de helicóptero da Heliservice pelo porto de Victoria.

A retomada da navegação foi impulsionada pela reabertura dos pontões no Royal Hong Kong Yacht Club, no início de maio, pelo Departamento de Assuntos Internos da ilha. Porém, o retorno à vida náutica normal ainda depende do fim de restrições a centros esportivos e recreativos e escolas de vela, que aguardam ansiosamente o sinal verde.

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

Teste FS 290