NÁUTICA Sudeste

0
7211

A história da pequena cidade de Rifaina, exatamente na divisa entre São Paulo e Minas Gerais, se divide em antes e depois da construção de uma série de barragens ao longo do rio Grande, que ali divide os dois estados. Foram elas, as barragens, que dividiram aquele grande rio (grande não só no nome!) em trechos e represaram suas águas, gerando lagos que invadiram as margens e alteraram a paisagem e a própria vida das cidades. Vários municípios foram afetados pela inundação proposital da área, na década de 1970. Mas nenhum soube aproveitar isso tão bem quanto Rifaina — que, justamente por causa do lago deixou de ser tão pequena assim.

Hoje, Rifaina, no extremo nordeste do estado de São Paulo, a quase 500 quilômetros da capital, mas a meio caminho entre Ribeirão Preto e o chamado Triângulo Mineiro, continua somando pouco mais de 3 000 habitantes e ostentando a classificação de um dos menores municípios do estado em população. Mas, graças à água que a envolveu e que deu forma a um lindo lago, batizado de Jaguara, transformou-se no principal balneário da região, além de um surpreendente centro náutico, repleto de lanchas e jets. A cada fim de semana ou feriado prolongado, a cidade duplica (e até quadruplica!) sua população. E tudo por causa da água que passou a banhar a cidade — uma água difícil de encontrar igual.

Conheça a pequena Rifaina e seu lago encantado na nova edição de NÁUTICA Sudeste. Clique aqui e baixe seu exemplar gratuitamente.

Foto e texto: Jorge de Souza

 

Curta a revista Náutica no Facebook e fique por dentro de tudo que acontece no mundo náutico.

Teste Intermarine 62 YT - 19/06/2020