Veja 9 navios e aviões de guerra submersos que atraem a atenção de turistas oceano afora

0
1302
escombros

Você sabia que sessões de mergulho para visitar navios e aviões submersos tem crescido cada dia mais?

Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações

Nestas incursões, os turistas ficam frente a frente com as relíquias e o relato é sempre o mesmo: as visitas envolvendo os locais históricos são impressionantes. Confira alguns dos escombros mais visitados pelo mundo a seguir.

SS Thistlegorm, Egito

Começando pelo Mar Vermelho, no Egito, encontra-se o SS Thistlegorm: uma embarcação britânica localizada a apenas 30 metros de profundidade. A história é de que o navio enfrentou a força aérea nazista em 1941, durante a Segunda Guerra Mundial, e naufragou depois de ser bombardeado.

Ele carregava uma série de armas e apetrechos para serem utilizados ainda durante a guerra, e os mergulhadores contam que ainda é possível vê-los ao se aproximarem, ao exemplo das motocicletas.

USAT Liberty, Indonésia

Este é um navio americano, atingido por torpedos de um submarino japonês, em solo indonésio. O naufrágio aconteceu em 1942, durante a Segunda Guerra Mundial, e virou um dos destinos turísticos mais visitados do mar de Bali.

Hoje, devido a uma erupção vulcânica na região no ano de 1963, os destroços estão espalhados por locais bem próximos a orla, já que os tremores movimentaram o navio inteiro.

USS YO-257, Estados Unidos

Ainda sobre os naufrágios da Segunda Guerra Mundial, a embarcação da vez é a estadunidense USS YO-257. Ao contrário da SS Thistlegorm, o intuito desta aqui não era carregar itens bélicos, e sim combustível.

Em 1980, ela afundou em uma região próxima ao Havaí, mas não por um embate militar, e sim para formar um recife artificial. Hoje, é o abrigo de fauna rica e variada.

escombros

Jake Seaplane, Palau

Já no outro lado oposto do mapa, pelas águas da Oceania, encontra-se o Jake Seaplane, na República do Palau.

É um avião que foi utilizado pelo Japão, também na Segunda Guerra Mundial, e que encontra-se a 15 metros de profundidade da superfície.

SS President Coolidge, Vanuatu

O quinto naufrágio causado pela Segunda Guerra Mundial, em 1942, é o SS President Coolidge, que também encontra-se na Oceania. O navio, que foi utilizado para transportar tropas estadunidenses, atingiu minas navais e afundou.

Por sorte, milhares de militares conseguiram abandonar a embarcação a tempo, deixando para trás armas e objetos pessoais.

Leia também

» Governo da Tailândia permite que visitantes do país passem quarentena obrigatória em iate

» Estúdio holandês lança novo projeto de superiate em comemoração aos seus 50 anos

» Balsa antiga é transformada em iate de luxo em Hong Kong. Confira

Nippo Maru, Micronésia

Esse navio, em especial, era um cargueiro que servia regularmente ao transporte de bananas entre Taiwan e Japão, até ser incorporado à marinha japonesa. Inicialmente, foi utilizado para transportar água, até passar à posse das forças armadas.

Foi afundado pelos Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial, e sua estrutura está submersa na Micronésia, no oceano Pacífico.

Fujikawa Maru, Micronésia

O oitavo naufrágio da lista é mais uma embarcação afundada pelos Estados Unidos, na Segunda Guerra Mundial, de posse japonesa e situada na Micronésia.

O diferencial desse navio é a viagem que ele proporciona: os mergulhadores podem explorá-lo por completo, com estruturas que possuem mais de 30 metros de profundidade.

SS Yongala, Austrália

O penúltimo escombro é o SS Yongala, na Austrália, e, por incrível que pareça, não é uma embarcação de uso militar.

Considerado um dos pontos de mergulho mais visitados do mundo, o SS Yongala era um navio mercante que afundou em 1911, durante um ciclone. Hoje, é conhecido pela imensa diversidade que abriga.

USS Kittiwake, Ilhas Cayman

Por último, mas não menos importante, está o USS Kittiwake, nas Ilhas Cayman: uma embarcação que pertenceu aos Estados Unidos e foi afundada no ano de 2011.

Não foi vítima de nenhum confronto. Pelo contrário: o intuito do naufrágio foi criar um recife artificial e um ponto de mergulho no Caribe. É visitada, principalmente, por mergulhadores com pouca experiência.

Por Naíza Ximenes, sob supervisão da jornalista Maristella Pereira.

Gostou desse artigo? Clique aqui para receber o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e leia mais conteúdos.

Schaefer 660