Mundial de Vela

0
1326

Nesta terça-feira o vento apareceu no Mundial da Isaf (Federação Internacional de Vela), que está sendo realizado na cidade de Santander, Espanha. Apesar de fraco em algumas raias, agora toda a delegação brasileira já fez a sua estreia. Além do vento rondado, quem também atrapalhou os velejadores foram as algas.

Na classe 49erFX a dupla Juju Senfft e Gabriela Nicolino chegou a virar o barco e limpar a bolina (peça que faz com que o barco não ande de lado) e com isso acabou a regata na 25ª colocação. No geral as meninas ocupam a 50ª colocação.

Já Martine Grael e Kahena Kunze tiveram uma excelente estreia, vencendo a primeira regata do dia e ficando em quinto na segunda. Tanto elas, quanto Juju e Gabi estão na flotilha amarela, que tem uma regata em atraso em relação à azul. Por isso elas aparecem em 29º e 50º no acumulado, porém quando esta regata for realizada, elas subirão para o top 10. As líderes são as dinamarquesas Ida Marie Nielsen e Marie Olsen, que correram duas regatas.

“O primeiro dia foi puxado, mas muito bom para as condições que tivemos hoje. Estamos velejando dentro da baía, que é uma raia complicada e o vento não tem ajudado muito. Mas estamos satisfeitas com os resultados de hoje e amanhã vamos correr uma regata a mais para igualar com a flotilha azul”, disse Kahena.

“Nós chegamos a ir para a água novamente no final do dia e largamos bem. Estávamos em segundo lugar, disputando o primeiro após quatro pernas, mas o vento rondou 180 graus e anularam a regata”, disse Gabi.

Quem também estreou hoje foi a classe Nacra. Na flotilha amarela, João Bulhoes e Juliana Mota fizeram duas regatas, terminando o dia na 20ª colocação geral. Já a flotilha azul fez apenas uma regata e Samuel Albrecht e Georgia Silva aparecem em 61º, também com chances de melhorar assim que for realizada a segunda regata da série. Os líderes são os franceses Billy Besson e Marie Riou.

“Finalmente conseguimos estrear e acabamos não indo tão bem na única regata do dia. A condição estava bastante complicada, com o vento variando muito de direção e intensidade”, disse Samuca.

Na 49er, os melhores brasileiros são Marco Grael e Gabriel Borges, na 19ª colocação, com três regatas disputadas. Dante Bianchi e Thomas Low-Beer, únicos brasileiros a velejarem ontem, acabaram não velejando hoje e, com duas regatas, ocupam a 56ª posição. Com a realização da terceira regata para a flotilha amarela, eles deverão subir na classificação geral. Os líderes são os neozelandeses Peter Burling e Blair Turke.

Na Finn, Jorginho Zarif foi 15º colocado a única regata do dia na sua flotilha. No acumulado ele aparece em 29º. O líder é o australiano Oliver Tweddell.

Entre as pranchas, apenas os homens velejaram hoje. As mulheres ficaram de folga. Ricardo Bimba Winicki sofreu para desviar das algas e chegou a montar a primeira boia na 46ª posição, dentre 49 inscritos. No final, o talento falou mais alto e terminou em 11º. Ele ocupa a 16ª colocação geral. Albert Carvalho está em 40º e Gabriel Bastos em 80º. O líder é o polonês Piotr Myszka.

“Velejamos muito perto da praia, com vento bastante rondado. Esta regata foi bem parecida com a regata eu ganhei, com a diferença que naquela não tinha alga”, disse Bimba.

Com a realização de mais duas regatas para a classe 470 feminina, a flotilha foi dividida em ouro e prata e as duas duplas brasileiras ficaram entre as melhores. Renata Decnop e Isabel Swan tiveram um bom dia, com um nono e um sexto lugares, subindo para a 21ª colocação geral. Já Fernanda Oliveira e Ana Barbachan, que estrearam em segundo ontem, caíram para a 14ª colocação após conquistarem um 16º e serem desclassificadas da última regata do dia por estarem acima da linha na hora da largada.

Já os meninos fizeram apenas uma regata ontem e uma hoje. Geison Mendes e Gustavo Thiesen são os melhores brasileiros na 58ª colocação. Henrique Haddad e Bruno Bethlem estão em 64º. Os dois estão na mesma flotilha, com uma regata a menos que os líderes Nicolas Charbonnier e Achille Nebout-Javal, da França.

Entre os Laser Standard, o dia não foi muito produtivo para os brasileiros. Robert Scheidt caiu para a sexta colocação, a 18 pontos do líder, e Bruno Fontes foi para 11º, e terá que se recuperar amanhã para voltar para a zona da medal race.

Na Radial, Fernanda Decnop foi a única brasileira a se classificar para a flotilha ouro e foi 20ª colocada na única regata do dia. Tina Boabaid e Odile Ginaid passaram o dia esperando para velejar na flotilha prata, mas acabaram não velejando por falta de vento. A líder é a holandesa Marit Bouwmeester.

A previsão é que nesta quarta sejam realizadas as últimas três regatas da fase final. Na quinta-feira os dez primeiros colocados irão disputar a medal race, que é mais curtinha, bem próxima do público e tem pontuação dobrada. Scheidt, que busca mais um título mundial, não pode mais errar se quiser voltar da Espanha com a medalha de ouro da classe.

O Mundial da Isaf vai definir 50% dos países que estarão no Rio em 2016 e, como a classe Laser foi a primeira a ir para a água, 23 vagas já foram definidas entre os Standard. Além do Brasil que já tem vaga nas 10 classes, conquistaram um lugar a Austrália, Bélgica, Canadá, Croácia, Chipre, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Alemanha, Guatemala, Inglaterra, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Cingapura, Suécia, Polônia, Portugal, Tunísia, EUA e Ilhas Virgens Americanas. Nove vagas virão no Mundial de 2015, outras duas no Sul-Americano, Norte Americano, Africano, Asiático e Europeu e mais duas por convite.

Entre as meninas do Radial, a classificação só será conhecida amanhã, já que existem 19 vagas e 33 barcos passaram para a flotilha ouro.

Os resultados completos de cada regata e o acumulado podem ser vistos clicando aqui.

Foto: Thom Touw

 

Curta a revista Náutica no Facebook e fique por dentro de tudo que acontece no mundo náutico.