#Minha NHD: para Joaquim Rocha, a plataforma lateral da sua NHD 270 faz toda a diferença nos passeios

0
569

Natural de Recife, o pernambucano Joaquim Rocha mora em Natal, no Rio Grande do Norte, e navega há seis anos pelas águas do Nordeste. Adepto dos cruzeiros diurnos, sem pernoite, ele costuma aproveitar sua NHD 270, batizada de My Way, com sua mulher, as filhas de 8 e 16 anos, e alguns amigos.

“Apesar de morar em Natal, a My Way fica em João Pessoa, na Paraíba, onde há muitas opções de programas, além de ter um mar muito propício à atividade náutica”, afirma Joaquim, que navega duas meses por mês entre o Iate Clube Jacaré e a ilha de Areia Vermelha, retornando pela Prainha. “Às vezes entro um pouco mais no rio Soé, que tem fauna e flora incríveis”, completa.

Ex-proprietário de outras duas lanchas, de 20 e 24 pés, Joaquim comprou sua NHD Boats com motorização de 270 hp a diesel no último São Paulo Boat Show. “A minha NHD tem uma navegação muito suave, sendo capaz de cortar ondas com facilidade, proporcionando mais conforto. Além disso, o barco é muito bonito por dentro e por fora, com um acabamento que me agrada. Sem contar a abertura lateral na popa, muito usada pelas crianças, para pular na água, e pelos adultos, durante os churrascos”, explica.

LEIA TAMBÉM
>> Do mentor do Google a brasileiros: por que os barcos tornaram-se refúgio seguro durante a quarentena
>> História do mar: o primeiro homem a dar a volta ao mundo velejando por uma rota duríssima
>> Revolução náutica: conheça a lancha que une motor elétrico e hidrofólios para “voar” na água

Cuidadoso, Joaquim preza por uma cartilha de segurança a bordo durante os passeios. “Nunca é demais e todos devem ter uma rotina de prevenção quanto a equipamentos e cuidados com o barco, tanto na condução quanto manutenção. Gosto de fazer um ‘briefing’ quando temos convidados nos passeios. Nesse momento, peço às mães para ficarem atentas e próximas às suas crianças, oriento para que não se desloquem sem avisar com o barco em movimento, indico onde estão coletes e boias para o caso de necessidade. Faço de uma forma sutil, iniciando pelo que vamos ver e, naturalmente, entro nas orientações para não criar uma preocupação neles”, completa.

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

Schaefer770