Empresa norte-americana apresenta projeto de lancha elétrica minimalista em fibra de carbono

0
2031

Siga nosso TWITTER e veja a série Dicas Náuticas diariamente: @revista_nautica

A startup norte-americana Zin Boats, de Seattle, tem um novo projeto de lancha elétrica que visa mostrar que um modelo elétrico pode não apenas ser melhor para o planeta, mas também melhor em quase todas as outras vertentes. Com um design minimalista, construído quase inteiramente de fibra de carbono, o Z2R tem 20 pés e promete navegação rápida e manuseio fácil.

“Comecei a trabalhar especificamente em barcos elétricos porque tive um filho e percebi: se não vamos fazer algo pessoalmente sobre a qualidade da água em que vivemos, ela não estará aqui quando meu filho tiver a minha idade”, afirma Piotr Zin, CEO da empresa que já está há 20 anos produzindo veleiros de corrida.

O Z2R usa baterias BMW acopladas a um motor Torqeedo personalizado. Ele poderá ser recarregado usando desde um plugue de parede comum até os cabos de carga de alta amperagem encontrados na maioria das marinas.

Com velocidade máxima prometida de mais de 30 nós, o barco foi projetado em torno da bateria. “O diferencial de usar um sistema elétrico é que podemos colocar o motor onde quiser. Ao colocá-lo plano no fundo, o centro de gravidade é abaixado e a distribuição do peso equilibrada em comparação com a maioria das lanchas”, diz Zin.

Leia Mais

>> Estaleiro francês apresenta projeto de embarcação semissubmersível de 40 pés
>> Estúdio de design inglês inova e começa a criar projeto de iate do interior para o exterior 
>> SEC Boats entrega primeira unidade de catamarã de 35 pés para pesca

Ele se orgulha de ter projetado o próprio barco do zero, usando um software de dinâmica de fluidos de alto desempenho e modelos em escala para calcular o formato do casco. “Há uma grande vantagem em poder usar essas ferramentas. O poder de computação que temos em placas de vídeo apenas nos últimos anos, principalmente por causa da indústria de jogos, tem levado as possibilidades cada vez mais longe”, relata.

O cockpit aberto é plano e espaçoso, com timão, acelerador, telas de controle, controles de mídia, GPS e assim por diante. O revestimento de madeira, piso e estofamento de couro creme fazem com que pareça mais com um Mercedes flutuante.

 

Por Amanda Ligorio, sob supervisão da jornalista Maristella Pereira

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

Teste FS 290