Inscrições de barcos de recreio crescem 6,2% na Espanha

0
514
Foto: Reprodução

A Associação Nacional de Empresas Náuticas da Espanha (ANEN) anunciou que os registros de embarcações de recreio do país cresceram 6,2%, para 3 489 unidades, no primeiro semestre de 2019. Os registros de embarcações à vela expandiram-se em 40,5% nos primeiros seis meses deste ano, informou a associação com sede em Madrid por meio de um comunicado.

De janeiro a junho de 2019, as inscrições de barcos de até 6 m de comprimento subiram para 2 378 unidades, um aumento de 5,4% em comparação com o mesmo período do ano anterior. Dos 6m-8m (20 pés-26 pés), as inscrições diminuíram 3,2%, para 673 embarcações.

LEIA TAMBÉM
>>Barco elétrico recria Kombi da Volkswagen nas águas
>>Criado pelo mais famoso projetista de veleiros do Brasil, o Pop 25 pode ser feito em casa
>>Robert Scheidt atinge índice para os Jogos de Tóquio 2020

O maior aumento foi registrado no segmento de embarcações de 8 a 12 metros, com registros crescendo 66,3% ano a ano, para 296 unidades. As inscrições de embarcações de 12m-16m caíram 8,6% para 106 unidades, e no segmento de mais de 16m caíram 12,2% ano-a-ano para 36 unidades.

No primeiro semestre deste ano, as Ilhas Baleares continuaram liderando as inscrições no mercado espanhol de embarcações de recreio, com uma participação de 20,26%, seguida pela Catalunha, com 18,88%, de acordo com a ANEN.

Receba notícias de NÁUTICA no WhatsApp. Inscreva-se!

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A edição deste mês já está disponível nas bancas, no nosso app e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones

 

Para compartilhar esse conteúdo, por favor use o link da reportagem ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos e vídeos de NÁUTICA estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem nossa autorização (redacao@nautica.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que NÁUTICA faz na qualidade de seu jornalismo.