Conheça um pouco mais sobre a intrigante Ilha Montão de Trigo, no litoral norte de São Paulo

0
3116
Ilha Montão de Trigo

Quem frequenta o litoral norte paulista costuma ficar intrigado quando olha para o mar e, lá longe, vê uma pontuda ilha, que mais parece uma pirâmide. E a curiosidade aumenta ainda mais quando se descobre que aquela distante ilha não só é habitada como tem um nome bastante curioso: Montão de Trigo.

Poucos resistem à tentação de saber um pouco mais sobre ela, embora quase ninguém a visite. “Quando digo que moro na ilha, as pessoas logo começam a fazer perguntas”, atesta o pescador Adilson de Almeida Oliveira, de 40 anos, um legítimo “monteiro”, como se autodenominam os habitantes da Montão de Trigo, nascido lá mesmo, onde vive com mulher e dois filhos.

Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações

“Querem saber tudo, principalmente como conseguimos viver em um lugar tão isolado, e eu respondo que, além de ótimo, é fácil”, diverte-se Adilson, aguçando ainda mais a curiosidade dos turistas sobre a mais intrigante ilha do litoral paulista, sobre a qual todo mundo quer saber.

A isolada Montão de Trigo é a ilha mais intrigante ilha do litoral norte de São Paulo, com poucos habitantes e praticamente todos com o mesmo sobrenome. Eles vivem em casas feitas com compensados de madeira. Quase todos são parentes, já que os casamentos quase sempre acontecem entre primos e primas, tios e sobrinhas, etc., etc. Por isso, a grande maioria têm o mesmo sobrenome: Oliveira.

Metade dos adultos são evangélicos. Nos cultos, que acontecem aos domingos, terças e quintas, na igrejinha da Assembleia de Deus construída por eles, os próprios fiéis se revezam nas pregações, já que é raro aparecer um pastor de verdade por ali.

Ilha Montão de Trigo

Além das casas e da igreja, a ilha também tem uma escolinha, e um campo de futebol improvisado, onde, no entanto, é raro haver jogadores suficientes para formar dois times de verdade.

Do que elas vivem?

Praticamente só da pesca, que é praticada ali mesmo, já que as águas do Montão de Trigo são piscosas e bem fartas em garoupas, sororocas, lulas e bicudas, este o peixe mais tradicional da ilha.

O que sobra do consumo dos moradores (as refeições na ilha são tipicamente caiçaras: arroz com peixe e banana), os monteiros levam para vender em Barra do Una, a localidade do continente mais próxima da ilha, a cerca de seis milhas náuticas ou meia hora de distância de barco.

Mas, como não há refrigeradores na ilha para conservar os peixes capturados, os pescadores tratam de vendê-los rapidamente ou os mantêm vivos, em tambores dentro d’água — nos dois casos, garantia de peixe sempre fresco para quem for comprá-los.

De tempos para cá, os monteiros também passaram a ganhar algum dinheiro levando turistas da Barra do Sahy para a linda praia da quase vizinha As Ilhas, atividade que eles chamam de “fretes”. Mas, para o Montão de Trigo mesmo,
quase nunca levam ninguém, porque, a despeito da curiosidade geral, poucos se interessam em ir até lá. Só querem mesmo saber como é a vida na intrigante ilha.

Leia também

» Angra dos Reis edita decreto e libera acesso às praias

» Bertioga promoverá 1º Workshop Náutico da cidade com transmissão pela internet

» Glacier National Park: a escolha perfeita para quem quer curtir a natureza e navegar em lagos mais calmos

A ilha tem praias?

Não. Nenhuma. Montão de Trigo é rodeada de pedras, algumas com impressionantes cortes, riscos e entalhes, feitos, ao longo de milênios, pela ação do mar e do vento. Como os que margeiam a sua piscina natural, onde o fundo de areia torna a água do mar ainda mais clara — é a “praia” da ilha e destino certo de dez em cada dez visitantes.

Mas, como não há praias nem atracadouro fixo, quem chega à ilha só pode desembarcar através do “portinho”, um curioso sistema de troncos roliços, sobre os quais os botes são puxados e deslizam pedra acima. Mas é preciso autorização (e ajuda) dos ilhéus para fazer isso.

Ilha Montão de Trigo

Por que se chama Montão de Trigo?

Embora a ilha tenha o formato de uma pirâmide e, quando vista de longe, lembra bastante um “monte feito de farinha”, a origem do seu curioso nome, segundo os próprios moradores, não tem nada a ver com a sua silhueta e sim com o naufrágio de um barco carregado de trigo nas proximidades da ilha, séculos atrás, o que
gerou pilhas de sacas de farinha trazidas para terra firme — daí o “montão de trigo”.

“Meu avô sempre me contou isso”, garante o nativo (nativo mesmo, porque nasceu na própria ilha) Adilson de Almeida Oliveira. Mas não há provas concretas disso, nem tampouco da origem dos primeiros habitantes da ilha. Reza a lenda que teriam sido dois irmãos portugueses, que, 300 anos atrás, foram viver lá com duas índias, dando origem à hoje onipresente família Oliveira, sobrenome de praticamente todos os moradores da ilha.

Ilha Montão de Trigo

Pode-se visitar a ilha?

Sim, mas convém pedir autorização de algum morador antes de desembarcar no “portinho”, porque, embora a ilha não pertença a eles (e sim à Secretaria do Patrimônio da União, como todas as ilhas do país, sem falar que ela ainda tem
um dono particular), desde 2012, foi dado aos moradores da Montão de Trigo o direito de uso exclusivo da ilha.

Foi o primeiro caso de concessão de um Termo de Autorização de Uso Sustentável para os moradores de uma ilha, o que tornou a Montão de Trigo de uso exclusivo daquela comunidade caiçara. Eles, porém, não podem vender suas casas — apenas usá-las, com a garantia de que ninguém poderá tirá-los de lá. Mas, agora, para viver lá, só mesmo nascendo na ilha ou casando com um dos seus moradores.

Ilha Montão de Trigo

Dá para subir até o topo do monte?

Sim, a ilha tem trilhas e uma delas leva ao cume do monte, que fica a quase 300 metros de altura. Mas é uma subida um tanto puxada, que exige mais de duas horas de caminhada.

A recompensa é uma vista estupenda de praticamente todo o litoral norte paulista. Nos dias mais claros, dá para ver até Ilhabela lá de cima. Não por acaso, no topo do monte (que, em síntese, é a própria ilha), há algumas torres retransmissoras de sinais, o que torna a isolada Montão de Trigo um dos pontos mais conectados do litoral paulista, apesar do seu isolamento.

Ilha Montão de Trigo

Celulares pegam maravilhosamente bem em toda a ilha e os pescadores usam os aparelhos até para avisar os colegas da aproximação de cardumes no mar. Sinal de internet também não falta. E a comunidade da ilha já tem até página no
Facebook. Só o que não há é computador na ilha, por conta da carência de energia.

Os moradores da ilha não se sentem isolados?

A maioria garante que não. Até porque vivem lá por opção. Alguns vieram do continente, depois de casarem com monteiros — e, legalmente, também viraram
caiçaras.

Mas, mesmo estes, dizem não sentir tanta falta assim de certos confortos, como a energia elétrica permanente. Toda a energia da ilha vem de placas solares, mas elas não garantem o suficiente para todos os aparelhos, o dia inteiro (na última Copa do Mundo, para poderem assistir aos jogos pela televisão, os moradores tiveram que desligar todos os outros equipamentos).

Lamentam, também, o esquecimento por parte da prefeitura de São Sebastião,
município ao qual a ilha pertence, que há muito deixou de enviar agentes de saúde para atender os moradores, e a precariedade da escola local, onde todos os alunos estudam juntos, não importa a idade, porque só há uma sala de aula.

Ilha Montão de Trigo

Só em 2016 a escolinha passou a ensinar o segundo grau, porque um dos alunos já estava com 15 anos de idade e não aguentava mais ficar repetindo as séries. “Antes, quando as crianças completavam o primeiro grau, ficavam repetindo
as aulas, só para não deixarem de ir à escola”, explica o professor da comunidade.

“Quando sinto saudades do resto da família, eu pego o celular e ligo”, diz uma das monteiras que vieram morar na ilha e que não reclama nem de não ter
banheiro em casa, regalia que só algumas moradias possuem. “Meu sonho é ter um banheiro”, diz outra moradora, que, em compensação, goza de uma vista do mar que nenhuma mansão do litoral possui. E com golfinhos pulando em volta da ilha. Todos os dias.

Onde fica?

A ilha Montão de Trigo fica a cerca de uma dúzia de quilômetros da costa do litoral norte de São Paulo, na altura de Barra do Una, na metade do caminho entre Bertioga e São Sebastião.

Para conhecê-la, a melhor maneira é procurar um dos barqueiros da ilha na praia de Barra do Sahy, onde eles fazem ponto à espera de turistas, ou alugar um barco ou fretar um passeio a partir das marinas de Barra do Una.

Não perca nada! Clique aqui para receber notícias do mundo náutico no seu WhatsApp.

Marine Express