Fragata argentina tem visitação pública em passagem pelo Brasil

0
1071

Cinco anos após a última navegação em mar recifense, a fragata Ara Libertad voltou a atracar na capital pernambucana. O tradicional navio-escola da Marinha da Argentina chegou na manhã do dia 31 de dezembro ao Porto do Recife, onde permaneceu até o sábado (4). Em viagem desde agosto, o barco esteve aberto à visitação dos pernambucanos e turistas na quinta-feira (2) e na sexta-feira (3), entre as 14h e as 17h. A visitação gratuita foi uma oportunidade de conhecer a rotina dos 286 tripulantes, a maioria deles estudantes da força naval “hermana” que estão concluindo a formação.

A fragata Libertad saiu de Buenos Aires, na Argentina, no dia 17 de agosto de 2019 e passou por 12 portos antes de chegar ao Recife. Os marinheiros estiveram na Espanha, Portugal, França, Bélgica, Reino Unido, Estados Unidos e Barbados, último local visitado antes da chegada ao Recife. “Essa viagem, que dura entre cinco a seis meses, é a culminância da formação dos marinheiros argentinos, para eles se tornarem oficiais. A ideia, além da formação, é representar a Argentina no mundo, então é importante visitar países que são nossos amigos, melhorar essa relação e mostrar um pouco do nosso país”, explicou o encarregado de negócios da Argentina, o ministro Roberto Bosch.

O navio Libertad também é chamado de “Embaixadora dos Mares” pelos argentinos. Com a construção iniciada em 1953, a fragata fez a primeira viagem em junho de 1963. Naquela época, viajou por Porto Rico, Estados Unidos, países da Europa, Uruguai e Brasil. O Recife faz parte dessa história desde o começo e também recebeu a Libertad em sua primeira viagem. No total, ela já foi 48 vezes ao mar para formar marinheiros argentinos, passando por mais de 60 países. “Apesar de ter uma hélice e motores de propulsão como seu principal sistema, a fragata também opera à vela, como se fazia antigamente. Dessa forma, é possível ensinar aos jovens a arte da navegação tradicional, mostrar o esforço e o trabalho em equipe necessários para levantar as velas”, explicou o adido da Marinha da Argentina no Brasil, Diego Sanchez.

LEIA TAMBÉM

Segundo ele, a cada sete ou nove anos, a fragata faz uma volta ao mundo, chegando a visitar portos da Ásia. Quem for conhecer o navio poderá ver a estrutura interna e externa e conversar com parte da tripulação. “É um barco construído artesanalmente, é uma importante obra argentina do ponto de vista de engenharia naval. É um símbolo do país. As pessoas poderão saber não só como é a vida no mar, mas como é a vida no mar de um argentino”, disse Roberto Bosch.

Neste ano, a viagem da Libertad teve uma novidade. Os marinheiros passaram a virada de ano embarcados. Sabendo disso, a nutricionista Cecília Peralta, 60 anos, e o marinheiro aposentado Miguel Vazquez, 69, viajaram ao Recife para passara a noite de ano novo com o filho. Facundo Vazquez, 24, é um dos marinheiros em formação. “Queríamos receber o ano de 2020 com ele, então viajamos de Puerto Belgrano, na Argentina, até o Recife. Chegamos no dia 27 e ficamos até o dia 5”, explicou Cecília.

A fragata, que deveria atracar às 8h, por um problema técnico com o rebocador, só chegou ao Porto do Recife às 12h do dia 31 de dezembro. “É um orgulho para a gente, pois só viajam na fragata os marinheiros selecionados pelo trabalho, desempenho ou estudos realizados”, disse Miguel. Os tripulantes foram recepcionados no Recife por orquestra de frevo e passistas, na beira do cais. Na sexta-feira (3), eles fizeram um city tour em Recife e Olinda.

Receba notícias de NÁUTICA no WhatsApp. Inscreva-se!

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A nova edição já está disponível nas bancas, no nosso app e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones

Para compartilhar esse conteúdo, por favor use o link da reportagem ou as ferramentas oferecidas na página. Textos, fotos e vídeos de NÁUTICA estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem nossa autorização (redacao@nautica.com.br). As regras têm como objetivo proteger o investimento que NÁUTICA faz na qualidade de seu jornalismo.