Finais

0
1615

O Campeonato Intergaláctico de 49er e 49erFX, no Iate Clube do Rio de Janeiro, chegou ao seu penúltimo dia com alguns dos principais velejadores olímpicos da classe nas primeiras posições tanto no masculino, quanto no feminino. Amanhã as três últimas provas serão disputadas, sendo que a última, a grande final, contará pontuação dobrada e terá a chegada em frente à varanda do clube, entre os dois faróis da piscina de barcos do iate. Uma atração a mais para aqueles que apreciam os velozes e radicais 49ers.

O dia começou com os 49erFX correndo a primeira regata, às 11h30, em um vento terral de Nordeste muito fraco. E na clássica merreca da baía de Guanabara quem se deu melhor foi o barco brasileiro de Martine Grael e Kahena Kunze que voltaram a vencer regatas depois do recente título de melhores velejadoras do mundo da Federação Internacional de Vela (Isaf).

Na segunda prova do dia, já com o vento sul crescendo, elas ficaram com a 5ª posição e na terceira regata voltaram a vencer para terminar a quinta-feira na 6ª colocação geral, com 45 pontos perdidos, e manter vivas as chances de pódio amanhã. As líderes são as espanholas Tamara Echegoyen e Berta Betanzoz, com 27 pontos. Seguidas de Jena Mai Hansen e Katja Salskou-Iversen, da Dinamarca, com 35 pontos e Alexandra Maloney e Melly Meech, da Nova Zelândia, com 36 pontos.

Entre os homens, o irmão de Martine, Marco Grael e seu proeiro Gabriel Borges também tiveram o prazer de vencer hoje. E de forma diferente. Eles vinham com a segunda posição garantida, quando os líderes do campeonato e lendas da classe, Peter Burling e Blair Tuke (NZL), simplesmente capotaram a poucos metros da linha de chegada cedendo a vitória de modo inusitado.

Com isso, os neozelandeses ficaram em 15º na prova (que já virou o seu descarte de pior resultado) e, mesmo sem vencer no dia (tiveram um 4º e um 2º), continuam na frente com 15 pontos perdidos contra 37 pontos dos vice-líderes norte-americanos Brad Funk e Trevor Burd. E Funk ainda declarou: “o Rio de Janeiro agora é meu lugar predileto para velejar em todo o mundo. O clima da cidade, os bons ventos, as pessoas, tudo contribui. Estou adorando”.

Em terceiro geral estão John Pink e Hollingworth Bithell, da Inglaterra, com 41 pontos. E os franceses Manu Dyen e Stephane Cristidis que vinham brigando pela posição acabaram caindo na súmula devido a um acidente também na linha de chegada. Uma colisão com o barco espanhol dos irmãos Carlos e Anton Paz acabou acertando a perna do proeiro gaulês e o obrigando a receber atendimento médico no clube. Por sorte, nada mais grave ocorreu, e ele apenas deverá ficar em terra amanhã.

Foto: Fred Hoffmann

Informações: assessoria de imprensa

 

Curta a revista Náutica no Facebook e fique por dentro de tudo que acontece no mundo náutico.