Expedição recordista com submarino encontra plástico no ponto mais profundo dos oceanos

0
337
Foto: Reprodução

Em uma expedição recordista com submarino, que chegou à maior profundidade já alcançada, um americano encontrou no fundo do mar mais do que uma amostra intocada da natureza – ele se deparou com resíduos plásticos, como sacolas e embalagens de balas.

Victor Vescovo chegou a quase 11km da região mais profunda do oceano – a Fossa das Marianas, no Pacífico. Ele ficou quatro horas explorando a base da fossa com um submersível, construído para suportar a imensa pressão nestas profundezas. Agora, materiais orgânicos e inorgânicos coletados ali serão estudados em laboratório – para detectar, por exemplo, a possível presença de microplásticos nas criaturas marinhas.

É a terceira vez que os humanos chegam a profundidades extremas do oceano. A descida de agora, que chegou a 10.927m abaixo das ondas, é a mais profunda – fazendo de Victor Vescovo o novo recordista. Vescovo e sua equipe realizaram cinco mergulhos durante a expedição; equipamentos robotizados também foram usados para fazer prospecção no terreno.

Don Walsh, pioneiro na exploração da Fossa das Marianas, acompanhou a nova conquista. “Eu saúdo Victor Vescovo e sua brilhante equipe pela conclusão bem-sucedida de suas explorações históricas da fossa”, disse Walsh. “Agora, no inverno da minha vida, foi uma grande honra ter sido convidado pela expedição a um lugar da minha juventude.”

A equipe acredita ter descoberto quatro novas espécies de crustáceos, semelhantes a camarões; e ter avistado um indíviduo da classe echiura, a 7.000m, e um peixe-caracol rosa, a 8.000m. Eles também descobriram afloramentos rochosos de cores vivas, possivelmente criados por micróbios, e coletaram materiais do fundo do mar.

LEIA TAMBÉM
>>Brasília receberá festival de esportes náuticos em junho
>>Na Austrália, um navio abandonado virou uma espécie de formidável vaso náutico
>>Maior livraria flutuante do mundo visitará cinco municípios brasileiros

O impacto da ação humana no planeta também ficou evidente com a descoberta da poluição plástica, algo que outras grandes expedições já haviam constatado antes. Milhões de toneladas de plástico chegam aos oceanos a cada ano, mas pouco se sabe sobre onde isso acaba. Os cientistas agora querem fazer testes com os espécimes coletados para ver se eles carregam microplásticos – um estudo recente mostrou que este é um problema amplo, até mesmo para seres que vivem em lugares muito profundos.

A expedição na Fossa das Marianas faz parte de uma maior, intitulada Five Deeps – que tem o objetivo de explorar os pontos mais profundos de cada um dos cinco oceanos do planeta. A Five Deeps é financiada pelo próprio Vescovo, um investidor que, antes de buscar as profundezas extremas dos mares, já chegou aos picos mais altos dos sete continentes.

Além da Fossa das Marianas, no Pacífico, nos últimos seis meses também foram feitas expedições na Fossa de Porto Rico, no Oceano Atlântico (a 8.376m); na Fossa Sandwich do Sul, no Oceano Austral (7.433 m); e na Fossa de Java, no Oceano Índico (7.192m). O desafio final será chegar à Fossa de Molloy, no Oceano Ártico, algo programado para agosto de 2019.

O submersível usado, conhecido também como uma embarcação de apoio a mergulho (DSV, na sigla em inglês), foi construído por uma empresa dos Estados Unidos, a Triton Submarines. O equipamento foi produzido de forma a poder ser usado várias vezes, em diferentes partes do mar.

A embarcação pode levar duas pessoas, portanto, os mergulhos podem ser feitos solo ou em par. Ela pode suportar a pressão esmagadora no fundo do oceano, equivalente a 50 aviões jumbo empilhados em cima de uma pessoa. Além de trabalhar sob pressão, o submarino pode operar no escuro e em temperaturas congelantes. Depois que a expedição Five Deeps for concluída, o plano é passar o submersível para instituições científicas, cujos pesquisadores continuarão a usá-lo.

Receba notícias de NÁUTICA no WhatsApp. Inscreva-se!

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A edição deste mês já está disponível nas bancas, no nosso app
e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones