Peixe com o maior genoma sequenciado traz novas explicações sobre a evolução da espécie

0
315

Segundos dados de estudos publicados pela revista Nature, a equipe do Instituto de Pesquisa de Patologia Molecular da Áustria, realizou uma pesquisa sobre o DNA do peixe-pulmonado-australiano (Neoceratodus forsterj) e foi descoberto que o genoma da espécie é o maior já sequenciado e promete revelar informações importantes sobre a evolução dos animais.

Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações

O animal tem aparência tão peculiar que, quando descoberto no século 19, foi erroneamente classificado como anfíbio. Até que novos estudos revelaram que a verdadeira natureza da espécie, que hoje é classificado como peixe pulmonado, pertence ao grupo de pescados de nadadeiras lobadas.

Até hoje, os biólogos não sabiam se os peixes pulmonados ou os celacantos (outro grupo de peixes arcaicos com nadadeiras lobadas) estavam diretamente relacionados a anfíbios, répteis, pássaros e mamíferos. Com isso, os cientistas por trás da nova pesquisa resolveram analisar o DNA do Neoceratodus forsteri  o que acabou sendo um desafio muito grande.

De acordo com os pesquisadores, o novo estudo revela que, sem dúvidas, os celacantos divergiram primeiro de seu antepassado. Já os peixes pulmonados se ramificaram pouco depois, a partir da linhagem relacionada aos animais de quatro patas.

LEIA MAIS:

>> Curso de observador de baleias lançado na Itália visa unir ambiente, turismo e ciência

>> Depois de 11 horas no mar, náufrago é resgatado por Leonardo DiCaprio

>> Museu subaquático está previsto para abrir oficialmente em junho de 2021, na Grécia

Além disso, o sequenciamento genético destacou semelhanças interessantes entre os peixes pulmonados e os vertebrados terrestres. Por exemplo, o número e os níveis de expressão de genes associados ao desenvolvimento de pulmões e membros articulados, bem como a detecção de odores transportados pelo ar, são muito mais próximos dos de anfíbios do que de outros peixes.

Para os pesquisadores, o animal não só pode nos ensinar sobre as adaptações a vida na Terra, como pode explicar como certos genomas evoluem para ser tão grandes.

Por Amanda Ligório, sob supervisão da jornalista Maristella Pereira

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

Teste Triton 52 Fly