Bruno Jacob

0
3496

O piloto brasileiro Bruno Jacob, de 27 anos, novamente representará o Brasil no Campeonato Mundial de Freeride. Agora o atleta buscará um lugar entre os primeiros colocados nas próximas duas etapas do circuito, que serão disputadas na Europa.

Ele viajou para a Inglaterra, onde realizou treinos específicos, no último dia 21, mas antes de embarcar fez uma visita à redação de NÁUTICA e conversou um sobre seus projetos para este ano e, também, do sucesso do GiroX, o jet que desenvolveu como projeto de final do curso de Engenharia de Produção e hoje é sucesso de vendas.

Confira o papo rápido com Bruno Jacob.

Como nasceu o GiroX?

Eu precisava de um projeto para meu Trabalho de Conclusão de Curso na faculdade e, junto ao meu técnico, mecânico e amigo Clayton Lopes, desenvolvi um jet com casco que utiliza 95% de materiais recicláveis em sua construção. É um casco leve e mais barato.

Porque desenvolver um jet? Este mercado não tem concorrência forte demais?

Nunca quis entrar no mercado de jets de lazer, meu objetivo era desenvolver um equipamento voltado para a prática do Freeride — modalidade em que os pilotos executam manobras radicais em ondas durante as competições — e assim popularizar o esporte, por isso o GiroX é um equipamento totalmente personalizável para o esporte, ou seja, cada piloto monta o equipamento como quer.

E como foi a aceitação no mercado?

Em oito meses já vendemos 23 unidades para pilotos de seis países diferentes e tenho recebido muitos elogios, para mim este número é surpreendente e sinal de que estou no caminho certo.

O GiroX pode ser utilizado em competições oficiais?

Sim, ele é homologado pelo Federação Internacional, a IFWA, e já o utilizei em várias etapas do mundial de Freeride.

Falando em mundial, como estão seus planos para as etapas deste ano?

Eu embarco para a Inglaterra, onde treinarei por alguns dias, e depois sigo para a França onde acontece a segunda etapa, entre os dias 30 de maio e 1º de junho, e depois volto para a Inglaterra para competir na terceira etapa da competição. Depois terei competições nos Estados Unidos e a última etapa será no Brasil. Meu objetivo é sempre estar entre os 10 primeiros colocados e venho treinando muito para isso, espero fazer bonito este ano.

Além do esporte e da fabricação do GiroX você tem algum outro plano para este ano?

Estou lutando para abrir um estaleiro de pequenas embarcações na Bahia, onde nasci e moro até hoje. Lá pretendo produzir jangadas de 16 pés e pequenas lanchas de 18 e 20 pés. Ainda não tenho data para começar, mas espero que consiga o capital para iniciar os projetos ainda este ano.

Confira algumas fotos de Bruno e o GiroX em ação:

 

Curta a revista Náutica no Facebook e fique por dentro de tudo que acontece no mundo náutico.