Empresa poderá realizar jornadas subaquáticas até os destroços do Titanic

0
1468
Foto: Reprodução

Titanic é o navio mais famoso do mundo – e também o mais notório naufrágio. É raro alguém que não conheça a trágica história de como o transatlântico colidiu com um iceberg na noite de 14 de abril de 1912 e afundou menos de três horas depois.

Somente os passageiros mais ricos podiam pagar por passagens para as cabines de luxo na primeira e última viagem do Titanic. Em 2019, novamente aqueles com carteiras recheadas poderão percorrer os conveses do famoso navio.

A empresa americana OceanGate planeja realizar diversas jornadas subaquáticas para o Titanic em meados deste ano. Cada assento em seu submarino de águas profundas custa cerca de 105 mil dólares (387 mil reais). O valor é equivalente a uma passagem de primeira classe na viagem inaugural do navio – ajustada pela inflação.

A missão de longo prazo da OceanGate, espalhada ao longo de vários anos, foi concebida como uma “pesquisa longitudinal para coletar imagens, vídeos e dados de sonar […] e fornecer uma base objetiva para avaliar a deterioração dos destroços ao longo do tempo e ajudar a documentar e preservar sua história submersa”, de acordo com a empresa.

Os destroços do Titanic estão no fundo do Atlântico, cerca de 3 800 metros abaixo da superfície do oceano e a aproximadamente 600 quilômetros da costa de Newfoundland, no leste do Canadá. O navio naufragado foi descoberto em 1985.

LEIA TAMBÉM
>>Palm Beach Motor Yachts apresentará versão aberta do GT50 em Miami
>>Confira oito modelos de superiates que trazem cinema a bordo
>>Cabanga terá três representantes na Copa Brasil de Estreantes

Para chegar a uma profundidade tão grande, a OceanGate enviará cientistas e convidados pagantes a uma pequena missão submarina, denominada Titã. O submarino feito de fibra de carbono e titânio transportará um piloto, três turistas e um especialista em mergulhos de duração entre 10 e 12 horas.

Os passageiros dispostos a desembolsar a tarifa certamente terão a viagem de suas vidas. Enquanto isso, biólogos marinhos especializados em alto-mar devem pesquisar as várias centenas de espécies que são exclusivas do Titanic e de seus arredores.

Arqueólogos marinhos devem fazer uma varredura dos destroços com lasers e câmeras especiais para aprender sobre quais materiais sobrevivem aos anos de degradação. Ninguém esteve no Titanic nos últimos nove anos, portanto, será interessante ver como a embarcação está agora.

Com múltiplos mergulhos todos os anos, Rush planeja obter informações exatas sobre a rapidez do progresso da degradação do navio. Espera-se que os lasers sejam capazes de medir o encolhimento em milímetros de ano para ano.

Em 2010, pesquisadores da Universidade de Dalhousie, no Canadá, descobriram um novo tipo de bactéria na carcaça do Titanic. A Halomonas titanicae pode sobreviver em condições inóspitas à maioria das outras formas de vida – e adora comer ferro. É uma das razões pelas quais alguns especialistas afirmam que o Titanic irá se deteriorar completamente nos próximos 20 anos.

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A edição deste mês já está disponível nas bancas, no nosso app
e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones