Saiba como submarino indiano movido a energia nuclear ficou inoperante por 1 ano

0
959

Siga nosso TWITTER e veja a série Dicas Náuticas diariamente.

Durante a Guerra Civil Americana, o CSS Hunley se tornou o primeiro submarino “bem-sucedido”, pois poderia efetivamente submergir, embora tivesse problemas para emergir – e infelizmente isso custou a vida de toda a tripulação.

Durante a Guerra Fria, a Marinha Soviética sofreu vários acidentes submarinos, muitos deles devido a incêndios; enquanto um acidente particular envolvendo o K-431 foi posteriormente revelado como sendo devido ao manuseio incorreto das hastes nucleares do barco, que foram levantadas muito alto no ar. Isso resultou em um reator atingindo massa crítica, seguido por uma reação em cadeia e explosão.

Outros acidentes foram o que só pode ser descrito como “erro humano” do tipo mais extremo. Um submarino alemão Tipo VIIC afundou em sua viagem inaugural durante a Segunda Guerra Mundial porque o novo banheiro de alta pressão em águas profundas do barco foi usado “indevidamente”!

Um grande percalço também aconteceu ao INS Arihant, o primeiro submarino de mísseis balísticos movido a energia nuclear da Índia, em 2017. O submarino de $ 2,9 bilhões ficou completamente inoperante por quase um ano.

Leia Mais 

>> O triste fim do velho trampolim de concreto do mar de Niterói
>> Casal resgata veleiro de 50 pés abandonado e sonha navegar o litoral do Brasil
>> Como é a vida de solidão de um faroleiro, que conhece o isolamento muito antes da pandemia

O submarino nuclear foi o primeiro de esperados cinco na classe, projetado e construído como parte do projeto Navio de Tecnologia Avançada da Marinha Indiana. O Arihant foi projetado com quatro tubos de lançamento que podiam transportar uma dúzia de mísseis K-15 de curto alcance ou mísseis nucleares K-4 de alcance intermediário.

Além disso, o Arihant enfrentou uma série de problemas desde o início, incluindo atrasos em sua construção e grandes diferenças entre o projeto fornecido pela Rússia e a fabricação local.

Todos esses foram menores, é claro, em comparação com os danos causados ​​por erro humano. Isso resultou em uma escotilha que foi deixada aberta por engano enquanto o barco estava no porto e, além de encher os compartimentos de propulsão com água do mar, houve danos substanciais nas tubulações que passavam pelo submarino. Considerando o quão corrosiva a água do mar pode ser as várias tubulações, incluindo aquelas que transportam água de refrigeração pressurizada de e para o reator nuclear de 83 megawatts do navio, todas tiveram que ser cortadas e substituídas.

O INS Arihant, de seis mil toneladas, permaneceu fora de serviço nas docas enquanto a água era bombeada e os encanamentos substituídos. Todo o processo demorou dez meses. Sua ausência foi observada pela primeira vez no impasse na fronteira de Doklam com a China no verão de 2017 – e os militares indianos apenas confirmaram que o submarino havia passado por reparos no início de 2018.

Por Amanda Ligorio, sob supervisão da jornalista Maristella Pereira

Gostou desse artigo? Clique aqui para receber o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e leia mais conteúdos.

Teste Ventura V195 Crossover – 19/03/2020