Confira 10 dúvidas sobre pintura de fundo que podem ser as suas

0
5820

A pintura do fundo do casco com tinta anti-incrustante é obrigatória para qualquer barco que fique parado na água. E a melhor hora é agora, no inverno, quando o clima fica mais seco. Confira 10 dúvidas sobre o assunto:

1. Todo barco precisa de pintura de fundo?

Não. Só os que ficam guardados em vagas molhadas, portanto em contato permanente com a água. Ou seja, veleiros e lanchas maiores. Isso porque o gelcoat que reveste a fibra de vidro não deve ficar submerso por mais de cinco dias seguidos, razão pela qual exige tinta anti-incrustante no fundo.

2. Toda tinta anti-incrustante é venenosa?

Não. Já há tintas do gênero livres de cobre e outros metais pesados, como o óxido cuproso, que repelem os organismos marinhos com a mesma eficiência e ainda tem capacidade de autopolimento, ou seja, vão se desgastando gradativamente pelo atrito com a água, reativando assim a sua eficiência, sem perder a capacidade anti-incrustante nem fazer mal ao meio-ambiente.

3. Como saber se está na hora de pintar o fundo do casco?

Quando começar a surgir limo, o que, depois, abrigará uma colônia de algas, que, por sua vez, atrairão as cracas, que precisam ser eliminadas, porque infestam rapidamente o casco inteiro. A hora certa é quando as incrustações estiverem começando a se instalar e não quando o barco já estiver infestado.

4. É preciso chamar um pintor especializado ou dá para pintar por conta própria?

O ideal é contratar um profissional, porque a aplicação (bem como a limpeza prévia do casco, que é fundamental para a eficiência, fixação e durabilidade da tinta) exige cuidados, até para a saúde. Além disso, há uma sequência de primers e tempos de secagem que precisam ser seguidos. Mas se não houver nenhum pintor com boas recomendações, é melhor fazer por conta própria, embora seja um serviço cansativo e demorado.

5.  O que é preciso ter para pintar o fundo de um casco?

Além de espaço adequado e equipamentos de proteção, como macacão, óculos, máscara com filtro, luvas e botas, fita adesiva para pintura, lixadeira, lixas d’água números 60 a 120, solvente, espátula, bandejas para tinta, rolos de pelos médios, trinchas de meia a quatro polegadas (para os cantos mais difíceis), lona para os respingos, estopa e — claro — as tintas. A saber, primer de adesão, primer intermediário e a tinta anti-incrustante propriamente dita.

6. Rolo, pincel ou pistola? O que é melhor usar?

O ideal é contratar um profissional, porque a aplicação (bem como a limpeza prévia do casco, que é fundamental para a eficiência, fixação e durabilidade da tinta) exige cuidados, até para a saúde. Além disso, há uma sequência de primers e tempos de secagem que precisam ser seguidos. Mas se não houver nenhum pintor com boas recomendações, é melhor fazer por conta própria, embora seja um serviço cansativo e demorado.

7. Como calcular a quantidade de tinta necessária?

Há fórmulas para se calcular a área exata a ser pintada e, consequentemente, a quantidade de tinta necessária. As mais comuns são: boca + calado x comprimento da linha d’água (para lanchas), e boca + calado x 0,75 x comprimento da linha d’água (para veleiros). Ambas indicam a área a ser pintada em m2.

8. Faz diferença se o casco é de metal, madeira ou fibra de vidro?

Não. As tintas anti-incrustantes servem para qualquer tipo de casco. O que muda é o primer que será aplicado antes e que, este sim, deve ser específico. Ele deve ser aplicado com duas ou três demãos, neste caso com uma camada intermediária, o tie-coat, que, além de dar proteção extra, promove a aderência entre o primeiro primer e a tinta anti-incrustante, que é aplicada só no fim do processo.

9. Qual é a melhor época do ano para refazer a pintura de fundo?

Quanto mais seco e menos umidade no ar houver, melhor. Ou seja, a melhor época é agora, no inverno, quando chove pouco. Como referência, escolha dias com umidade do ar em torno dos 65%, para não comprometer a qualidade da pintura.

10. É preciso remover completamente a tinta antiga?

Nem sempre. Se ela não estiver muito grossa ou descolando, basta limpá-la bem e aplicar (desde que seja a mesma tinta) por cima. Mas há um limite para repinturas: não mais que quatro. Após isso, é preciso eliminar todas elas, até chegar ao primer, preservando, no entanto, o gelcoat do casco.

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A edição deste mês já está disponível nas bancas, no nosso app
e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones