Começou!

0
1575

Frio, vento rondado, rajadas fortes e uma raia com dimensões muito curtas impuseram os desafios do 1º City Grand Slam no Lago de Alster, em Hamburgo nesta terça-feira (3), abertura da competição da Star Sailors League. Com 90 tripulações divididas em três flotilhas, Torben Grael, ao lado do italiano Stefano Lillia encerrou o dia em sexto lugar na classificação geral. Bruno Prada, com o norte-americano Augie Diaz, é o sétimo colocado. Os noruegueses Melleby e Revkin lideram com três pontos perdidos, meio ponto à frente dos poloneses Kuznierevicz e Zycki.

O percurso das nove regatas, três para cada flotilha, não passou de quatro milhas (7km) divididas em até oito pernas, com duração média de 35 minutos, o que exigiu dos velejadores intenso esforço físico pela intensidade das manobras. “As regatas foram totalmente físicas. Muita manobra, mas foi a melhor das três séries porque o vento apertou, com rajadas acima de 15 nós (cerca de 30 km/h). Na última, ganharíamos se não tivesse quebrado a alça da escota (que ajuda a sustentar a vela mestra). Fizemos uma gambiarra e ainda chegamos em oitavo lugar”, analisou Bruno que antes obteve segundo e terceiro lugares.

Bruno e Augie somam 13 pontos perdidos, um a mais do que Torben e Stefano, três vezes quartos colocados. No momento em que o vento apertou, o bicampeão olímpico teve de segurar o barco e o proeiro. “O Stefano não está em ritmo de regata. Três provas curtas com vento forte no mesmo dia, quebraram o cara. Tive de dar uma segurada, mas foi bom. Começar bem sempre tira um pouco da pressão”, afirmou Torben. Os brasileiros correram o primeiro na flotilha azul. Mais três regatas complementam a primeira fase. A partir da quarta, considera-se o descarte do pior resultado.

A dupla brasileira Francisco Simsen e Arthur Lopes (Tutu) também estreou alcançando a perspectiva de ficar entre as 30 mais bem colocadas e passar para a segunda fase. Estão em 19º lugar na classificação geral, com 25 pontos perdidos (12+6+7). “Estamos correndo pela primeira vez juntos na Star. Não devemos ser audaciosos e estabelecer uma meta, mas sabemos que o barco está rápido e por isso lutaremos para chegar à próxima fase”, argumentou Francisco consciente das dificuldades.

A partir do meio da tarde o sol surgiu entre nuvens e amenizou o frio, mas as primeiras regatas do dia tiveram condições severas de tempo para a flotilha amarela, com temperatura abaixo de 10ºC, garoa e vento noroeste por volta de 12 nós (22km/h). A dupla norte-americana Lawrence e Coleman também manteve a regularidade e ocupa a terceira posição geral com cinco pontos perdidos Os alemães Stanjek e Kleen, atuais campeões da Bacardi Cup estão em oitavo lugar.

O francês Xavier Rohart, bronze olímpico na Star nos Jogos de Atenas, venceu a segunda regata ao lado de Pierre Ponsot e ocupa a nona posição. Apesar da raia com dimensões reduzidas, elogiou a regata. “É necessário largar forte e depois administrar a prova sem se envolver em confusão para não ficar preso em meio à flotilha. É tudo muito rápido e não há tempo para indecisões. Tem de definir o rumo e seguir em frente”, considerou o presidente da SSL. A previsão para esta quarta (4) é de ventos mais fracos em Hamburgo. A primeira largada está prevista para às 10h00 (local), cinco horas à frente do fuso de Brasília.

A forma de disputa da SSL é garantia de emoção. Na primeira fase os 80 barcos serão divididos em flotilhas amarela, azul e vermelha, com previsão de seis regatas para cada grupo. Os 30 mais bem classificados seguem para a segunda fase, com mais cinco regatas. Os dez primeiros avançam para três regatas eliminatórias: quartas de final, semifinal e final, com oito, seis e quatro barcos, respectivamente, sendo que o vencedor da segunda fase vai direto para a final, enquanto o segundo colocado se garante na semifinal. As regatas decisivas estão previstas para sábado, dia 7.

Foto: Divulgação

Assine a revista NÁUTICA: www.shoppingnautica.com.br