11 dicas quentes para o churrasco a bordo ficar ainda mais gostoso

0
1061

A rigor, qualquer lancha ou veleiro pode ter uma churrasqueira, desde que ela seja apropriada para uso náutico — ou seja, pequena, com tampa e presa na plataforma de popa ou no guarda-mancebo — mas sempre na parte de trás do barco, onde o vento é menor e o espaço, maior.

Na proa não, porque, quando ancorados, os barcos ficam naturalmente aproados no vento, o que significa que a fumaça irá se estender por todo o casco. Além disso, o vento pode trazer partículas de carvão para bordo e aí o resultado será, no mínimo, um convés encardido.

Churrasco é a mais simples das refeições, não exige nada além de fogo e carne e, ao contrário dos lanches, é um ótimo pretexto para reunir todo mundo. Se for (ou não) o seu caso, confira estas dicas e bom proveito!

Confira nossas sugestões:

1 – Não use líquidos combustíveis para acender o fogo, porque eles podem escorrer para o casco. Só acendedores próprios ou pão embebido em álcool.

2 – Mantenha a temperatura do braseiro estável. Se o carvão diminuir ou acabar e esfriar demais, a carne endurece.

3 – Não lave a carne nem a coloque direto do descongelamento no fogo, porque, com o calor, ela perderá muito sumo e tenderá a ficar seca e dura.

4 – Vire a carne na medida em que for surgindo certo “suor” na parte de cima. Quando isso acontecer, ela já estará mal passada. Ou seja, quase ao ponto.

5 – Deixe um pouco de gordura, mesmo que você não coma nem goste disso, porque ela
realça o sabor da carne.

6 – Calcule 400 gramas por pessoa, ou um pouco menos no caso de mulheres, mas lembre-se de que atividades na água sempre dão fome.

7 – O melhor carvão é o de madeira de eucalipto, que além de ecologicamente correto, não gera tanta cinza nem faz tanta fumaça.

8 – Fogo bom não tem labaredas, apenas brasas incandescentes. Tente mantê-lo assim, abrindo, com certa frequência, a tampa da churrasqueira, para controlar as chamas.

9 – Não coloque muito carvão, mas vá repondo aos poucos, até porque, nas churrasqueiras de barcos, cabe bem menos. Por isso, acaba rápido.

10 – Para preservar a suculência da carne faça um “selamento” antes de assá-la, colocando-a no fogo bem quente durante um ou dois minutos. Isso criará uma película em volta dela, que reterá o seu sumo.

11 – Churrasco de verdade, segundo os puristas, deve ser ao ponto ou, então, malpassado — carne torrada jamais! Mas gosto, obviamente, não se discute. Na dúvida, pergunte o gosto de cada um.

Pouco ou muito sal?

Carne sem sabor ou, pior, salgada demais são os dois problemas mais corriqueiros
nos churrascos. Para o primeiro, basta acrescentar sal grosso — quase sempre em
abundância e, a princípio, revestindo toda a carne. Para o segundo, é preciso lembrar
que, depois de um tempo de cozimento, deve-se bater a carne, para tirar o excesso
de sal. A quantidade de sal e o tempo certo de sua permanência na carne são quase
segredos para todo bom churrasqueiro. Mas, como referência, adote o seguinte padrão:
cerca de 100 gramas de sal grosso para cada quilo de carne (revestindo-a feito uma
capa) ou apenas 20 gramas se for sal fino, de cozinha, que não é tão recomendado.
E para ela não ficar salgada demais, tire o excesso quando já estiver quase no ponto
de malpassada. Outro cuidado: use apenas sal seco, porque, se ele estiver úmido, a água
aumenta sua penetração na carne e salga mais do que deveria.