Casal resgata veleiro de 50 pés abandonado e sonha navegar o litoral do Brasil

0
7964

O barco é a primeira unidade do veleiro Fast 500 construída no Brasil

Siga o nosso TWITTER e veja a série Dicas Náuticas diariamente: @revista_nautica

Apaixonado por veleiros em geral, e por modelos da Fast Yachts em particular, o casal Ramiro Eli e Giorgina Karolyi Eli mal acreditou quando encontrou um celebrado Fast 500 ano 1986 em estado de quase abandono em Cabedelo, na Paraíba. Ainda mais quando soube que a unidade em questão era nada mais nada menos que a número 1 fabricada pelo estaleiro Fast, que caiu nas graças dos velejadores brasileiros, nos anos 1980, construindo barcos tão bons que mesmo hoje, muito tempo depois de deixarem de ser produzidos, continuam sendo objetos de desejo.

“Nos conhecemos velejando ainda na infância quando nossos pais tinham veleiros. Casamos e continuamos dividindo essa paixão. Foi quando descobrimos o Força Maior, abandonado há 17 anos em uma poita na Paraíba”, conta Giorgina.

Era a primeira unidade do 50 pés produzido pela Fast Yachts, em 1986. Por coincidência, o barco morava na imaginação de Ramiro, desde que a revista Esportes Náuticos, que daria origem à NÁUTICA, publicou uma reportagem sobre ele, no mesmo ano.

“Eu gostava tanto desse veleiro que, quando era adolescente, tinha um poster do Força Maior na porta de um armário do meu quarto. Então, por uma daquelas coisas inexplicáveis da vida, lá estava ele, o nosso sonho unindo mais uma vez a nossa história. Não tivemos dúvida de que era hora de embarcar e mergulhar de cabeça nesse sonho”, recorda Ramiro.

Coincidência é pouco. O casal estava à procura de um veleiro para comprar, na região entre Ubatuba e Paraty, no litoral de São Paulo, quando ficou sabendo da existência do veleiro Força Maior. “Foi por meio de uma conversa ocasional com seu próprio dono, o Senhor Carlos, de quem fomos ver um outro veleiro, de casco de aço, em Paraty”, explica Giorgina.

Durante a conversa, surgiu a informação sobre o Fast 500, que estava fora de combate em uma poita na Paraíba. A notícia soou como música (das boas) para o ouvido do casal. Ainda mais quando souberam que se tratava do próprio Força Maior dos sonhos de Ramiro. “Eu não podia perder a oportunidade de comprá-lo”, diz o velejador.

Os dois não perderam tempo: assim que a agenda permitiu, voaram para a Paraíba, atrás da preciosidade, mesmo sem o barco estar à venda. Encontraram o veleiro detonado, já quase a ponto de virar sucata, em um canto da Marina do Jacaré, e mesmo assim, fecharam negócio, dispostos a bancar a restauração.

“Fizemos a compra oficial, no papel, dia 21 de janeiro de 2020. A princípio, o Carlos não queria vender. Dizia apenas que, se algum dia fosse abrir mão do barco, seria para o Ramiro. Mas acabou vendendo, pois houve uma empatia muito grande entre eles”, conta Giorgina.

Muita água, porém, já havia passado por baixo daquele velho casco, que pedia uma restauração para readquirir a antiga forma. “Sabíamos que ele precisaria de uma ampla reforma, para voltar a ser o belíssimo barco que foi em outros tempos e nos nossos sonhos. Com isso, decidimos encarar essa missão”, conta Ramiro, que sempre gostou de construção naval e, por um tempo, trabalhou com survey de barcos de grande porte, sua paixão.

Imediatamente, colocando eles próprios a mão na massa, os dois iniciaram uma meticulosa restauração do velho Fast 500, que teve Nelson Bastos como primeiro dono. “Voamos para lá a cada 15 dias, quando as regras de isolamento social permitem. Estamos fazendo tudo, passo a passo, atualizando os itens principais e de segurança, junto com um pessoal especializado em marcenaria”, conta a velejadora.

Leia também
» Estaleiro inglês lança maior veleiro de madeira construído no país desde 1930. Conheça
» Estaleiro gaúcho Delta Yachts apresenta novo projeto de veleiro. Veja as fotos
» Após 76 anos no fundo do mar, histórico veleiro é encontrado e reformado para voltar a navegar

O plano do casal é deixar o veleiro em condições seguras de navegação, ainda na Paraíba, com toda a parte de marcenaria concluída, e depois navegar até o Sudeste, deixando para concluir a reforma mais perto de casa. “A ideia é descer velejando até Ubatuba”, explica Giorgina, que ao lado de Ramiro e dos filhos, Martin, de 7 anos, e Nicolas de 5, pretende morar a bordo do Força Maior. “Quando estiver pronto, será a nossa nova casa!”, garante.

Fast 500

O dois sempre foram fã da marca e acabaram virando especializadas na história do estaleiro Fast Yachts, criado por Nelson de Sampaio Bastos no ano de 1980 e que já teve como proprietários Eduardo Souza Ramos, Marcos Soares e Fernando Martins, até encerrar as atividades em 2004, quando fabricava apenas o Fast 365.

Receba as notícias da NÁUTICA direto no seu celular clicando aqui.

“Tudo começou com a fabricação dos famosos veleiros Fast 345, que foram referência na vela oceânica brasileira por muitos anos e, até hoje, é um dos modelos mais desejados no mercado de veleiros usados no Brasil. Depois, a Fast Yachts lançou o Fast 410 e o Fast 500”, enumera a velejadora. “Na sequência, foi lançado o Fast 395, modelo que substituiu o Fast 410”, acrescenta.

O casal Ramiro Eli e Giorgina Karolyi Eli

Além de professar amor pelos barcos, Giorgina e Ramiro participam de um grupo que reúne cerca de 200 apaixonados pelos veleiros da marca Fast, entre proprietários e simpatizantes. O passo a passo da reforma pode ser visto no Instagram oficial do casal. Veja abaixo.

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar gratuitamente o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receber mais conteúdos.

Inscreva-se no melhor canal sobre o mundo náutico do Brasil