Conheça os primeiros barcos comerciais elétricos da Nova Zelândia

0
907

Siga nosso TWITTER e veja a série Dicas Náuticas diariamente.

O estaleiro Electric Boats, em Tauranga, Nova Zelândia, sob o comando de Sean Kelly, conta com novos sistemas elétricos que combinam recursos para tratar dos aspectos ambientais dos barcos comerciais ao mesmo tempo que reduzem os custos de longo prazo para os proprietários de barcos de trabalho.

O primeiro barco elétrico que a tripulação montou chama-se ‘Al Capone’, um casco de alumínio aberto de 6 metros que fez sua estreia em maio de 2018, quando Kelly o levou para dar uma volta pela Baía de Tauranga.

Ele estava trabalhando no conceito de um workboat elétrico por três anos, e quando o jornal local The Bay of Plenty Times perguntou por quê, Kelly riu – “Eu queria ser a primeira pessoa a fazer isso – o mais estúpido!”

“Muitas coisas me fizeram tropeçar ao longo do caminho”, ele continuou, mas o trabalho não foi em vão. Esse primeiro ‘Al Capone’ tem sido usado regularmente desde então, para a pesca geral e a captura de lagostas e lagostins.

Ele tem um motor de 120 kW conectado a um outdrive Mercruiser SE116 padrão. Kelly projetou ‘Al Capone’ para que ele possa ser carregado com um plugue comum em casa. As baterias são colocadas sob o convés, onde os tanques de gás normalmente estariam.

Os barcos elétricos também oferecem outro modelo semelhante ao Al Capone, um barco que usa essencialmente o mesmo formato do casco, mas com um teto aberto sobre a área da cabine. Possui também acabamentos internos mais adequados ao uso do passageiro, como assento de proa.

LEIA MAIS:

>> Sonhar não custa nada: conheça os 10 melhores destinos náuticos da Europa

>> Brasileiro constrói veleiro com filmes solares nas laterais do casco para viajar o Atlântico

>> A tragédia anunciada para o Três Marias se confirmou. Aleixo Belov cortou o mastro de seu veleiro histórico

Em setembro, a Electric Boats lançou um catamarã totalmente elétrico de tamanho real, o PowerCat 3400 com sua EBP (Plataforma de Barcos Elétrica) proprietária para controlar e gerenciar o sistema de propulsão. Também está disponível como um híbrido.

O barco é uma adaptação de um catamarã a motor da empresa irmã Herley e tem dois motores de 100 kW com um banco de baterias de íon de lítio de 180 kWh e teto com painéis solares.

A versão híbrida tem um gerador a diesel de 60kW que, junto com as baterias e os painéis, pode estender o alcance quase tanto quanto qualquer um gostaria – até 3500 km (2200 mi). O site da Electric Boats diz que o grupo gerador é “um quarto do tamanho de um gerador marítimo padrão e, portanto, usa apenas cerca de 1/4 do combustível que um gerador padrão usaria”.

O sistema EBP integra controles de tela com um acelerador regular e exibe informações em tempo real sobre os motores elétricos, acelerador, banco de baterias, motor gerador e sistema de refrigeração. Ele também gerencia e monitora a energia da costa e o carregamento a bordo.

“Não conseguimos encontrar um integrador de sistema adequado ao preço certo. Isso provou ser muito mais barato de construir do que qualquer marca competitiva e tem maior versatilidade. Além disso, permite adicionar qualquer módulo ou interface, como vários painéis solares, vários carregadores de bateria e vários inversores”, explicou Kelly sobre porque eles começaram a projetar seu próprio sistema.

Embora o Al Capone possa ser o primeiro barco comercial elétrico do país, definitivamente não será o último. A Wellington Electric Boat Building Company  tem trabalhado arduamente nos últimos meses tentando superar os atrasos da Covid-19 para que possam lançar a primeira balsa totalmente elétrica do hemisfério sul.

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

Teste FS 290