Pai e filho passam horas construindo barcos a controle remoto: “É a nossa paixão”

0
2428
Em algum belo Lago da Alta Baviera, no sul da Alemanha - Imagem: Acervo pessoal

O inverno na Baviera, no sul da Alemanha, é rigoroso. A sensação térmica pode ser de até 25 graus negativos. Na rua, não há muito o que fazer, mas na casa da família Müller, o pai, Markus, de 52 anos, e o filho, Benjamin, 25, se divertem construindo maquetes de iates, guiadas à controle remoto, que beiram a perfeição. 

Inscreva-se no canal de NÁUTICA no YouTube e ATIVE as notificações

O amor por iates, e pela construção de suas miniaturas, surgiu a partir de viagens que a família fazia para o Mar Mediterrâneo, sobretudo para a Itália. “Essas viagens representam a única possibilidade de observar iates originais. É por isso que reconstruímos iates, para que também possamos observá-los sem precisar dirigir 450 quilômetros”, disse Benjamin à reportagem de NÁUTICA.

“Para nós, era interessante ver como o casco deslizava pela água. Pensamos na modelagem, no design e no que os designers estavam pensando quando criaram esses barcos”, afirma Benjamin sobre as idas à Veneza, especialmente. 

Oficina da família Müller – Imagem: Acervo pessoal

Passadas essas viagens, quando retornavam para a Alemanha a construção desses modelos servia como uma terapia. “O processo de construção é feito, principalmente, durante o inverno, de noite, após o trabalho ou nos finais de semana, quando o tempo está ruim”, detalha. 

Tais construções são todas feitas à mão. O primeiro passo é construir o casco. “Primeiro construímos um molde negativo em formato de um V, feito de madeira”, explica. Depois, o casco é laminado com esteiras de fibra de vidro e resina epóxi. Quando terminado, os sistemas de controle remoto são instalados. Logo após, a seção superior e o cockpit do iate são construídos.

Mangusta 108 em construção – Imagem: Acervo pessoal

Geralmente, alguns modelos maiores podem acarretar em 800 horas de trabalho divididas em seis longos meses. Na maioria das vezes, apenas o pai, Markus, é o artesão dos iates, mas, de vez em quando, também é ajudado pelo filho. 

Mangusta 108 finalizado. A quantidade de detalhes é o que mais chama atenção – Imagem: Acervo pessoal

Leia mais:

>> O casal que trocou o asfalto do Rio de Janeiro pelas águas do litoral brasileiro

>> FS 290 Wide é escolhida a lancha de proa aberta preferida pelos seguidores de NÁUTICA no YouTube

>> Brasileiro constrói veleiro com filmes solares nas laterais do casco para viajar o Atlântico

Antes de ser devidamente pintado e iluminado, a carcaça do barco é lançada para um teste nos belos lagos da Alta Baviera. “Se o teste for positivo, mais detalhes serão construídos para dar “vida” ao modelo. Depois disso, tudo é lixado e preparado para a pintura”, conta Benjamin e ainda explica que a pintura é feita em uma oficina especializada. 

Testes antes dos detalhes que dão “vida” ao modelo – Imagem: Acervo pessoal

Uma vez que o modelo é pintado, o resto da elétrica, como a iluminação exterior e interior, é instalada. Voilà: seis meses depois, o processo de construção está concluído.

O maior modelo é uma réplica de um Palmer Johnson 170 na escala 1:21. Normalmente, os modelos são construídos na escala 1:20. No entanto, esse modelo teria ficado grande demais para a oficina instalada no porão da casa da família Müller. Ao todo, essa miniatura tem um comprimento de 2,48 metros

Palmer Johnson 170, o maior modelo construído pela família: 2,48 metros de comprimento – Imagem: Acervo pessoal

Anteriormente, Markus e Benjamin se inspiravam em iates reais dos principais estaleiros espalhados pela Europa. Agora, essa inspiração vem de dentro.

“Os barcos dos estaleiros não se diferem mais e todos parecem iguais. Portanto, já começamos a projetar nossos próprios iates, o que também foi um grande desafio”, pontua Benjamin. 

Nenhum dos mais de 30 modelos produzidos pela dupla de pai e filho foi, ou será, comercializado. “Tudo é um hobby, e não um negócio”, explicam. Além disso, eles enfatizam que as miniaturas seriam vendidas por um preço elevado e isso tiraria o encanto dessa produção. 

Test drive em mais um belo lago da Alta Baviera – Imagem: Acervo pessoal

Quando perguntados se gostariam de possuir um iate de verdade são assertivos: respondem que não. “Os iates reais são pouco utilizados. Têm tempos de inatividade e são muito caros. Não vale a pena”. Afinal, quem mais poderia dizer que possui 30 iates, assim como o pai e filho apaixonados por nautimodelismo da Alta Baviera. 

Por Gustavo Baldassare sob supervisão da jornalista Maristella Pereira

Gostou desse artigo? Clique aqui para assinar o nosso serviço de envio de notícias por WhatsApp e receba mais conteúdos.

Kapazi