Antiga fábrica de barcos é encontrada no Egito

0
1583

O Egito anunciou que arqueólogos encontraram uma antiga oficina usada para construir e reparar barcos que data da era do ptolemaico (de 332 a.C a30 a.C) em Sinai.

O Ministério das Antiguidades do Egito disse que as escavações foram feitas no sítio arqueológico de Tel Abu Saifi, no norte da Península de Sinai. Acredita-se que esta região tenha sido a localização do forte romano de Silla.

Mostafa Waziri, secretário-geral no Conselho Supremo das Antiguidades, disse que a oficina incluíam dois estaleiros onde era construída ou reparada uma das formas mais valiosas de transporte dos tempos antigos – os barcos que navegavam no Rio Nilo.

O jornal Luxor Times informa que as docas secas que foram encontradas eram dois edifícios de calcário que eram separados por uma estrutura central retangular. A maior das duas docas secas tinha 6 metros de largura e 25 metros de comprimento, fornecendo o espaço necessário para que os navios antigos entrassem.

Nadia Khedr, diretora de Antiguidades do Baixo Egito, disse ao Luxor Times que as docas secas caíram em desuso quando o lago e a ramificação próxima ao rio Nilo secaram. No entanto, os grandes blocos de calcário foram movidos e reutilizados para outro projeto.

O rio Nilo é considerado a força vital do antigo Egito e alguns dizem que a civilização nunca teria subido a níveis tão elevados sem a extensa hidrovia. A cultura e a história egípcia antiga estão fortemente ligadas ao Nilo. No lado espiritual, acreditava-se ser uma passagem da vida até a morte, o local onde a divindade Hapi, trouxe fertilidade à terra com inundações anuais.

Mas o Nilo também foi a chave para o desenvolvimento socioeconômico e o sucesso do antigo Egito – para o cultivo, pesca e comércio. Na maior parte do tempo, o rio de fluxo lento foi uma escolha agradável para os marinheiros.

Pequenas balsas de papiro, feitas a partir dos juncos que cresciam perto do Nilo, tiveram um upgrade mais tarde para barcos de madeira maiores e mais resistentes, que continuaram o fundo plano e um estilo quadrado de popa dos seus antecessores em papiro.

A adição de velas quadriláteras permitiu que os antigos egípcios expandissem a sua zona de comércio e aumentassem seu contacto, e às vezes batalhas navais, com outras culturas.

Evidências de comércio e pesca também foram notadas nas escavações de Tel Abu Saifi. Arqueólogos desenterraram cerâmica local e importada, bem como ossos de peixes do rio Nilo. As descobertas na oficina incluem vigas de madeira decompostas que poderão ser os restos de um barco ou feitos para consertar um, e unhas de bronze e metal de várias formas e tamanhos para construir e consertar navios.

O período greco-romano no Egito estende-se desde a sua queda até Alexandre, o Grande, no século IV a.C. para a conquista islâmica no século VII. O Egito espera que tais descobertas estimulem o turismo, que sofreu um grande revés durante a agitação que se seguiu à revolta de 2011.

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A edição deste mês já está disponível nas bancas, no nosso app
e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones