47º Brasileiro de Optimist começa em Ilhabela com medição dos barcos e treino

0
939
Foto: Aline Bassi

O primeiro final de semana do 47º Brasileiro de Optimist foi agitado em Ilhabela. A maioria dos velejadores já chegou na Escola de Vela Lars Grael, onde estão sendo feitas as inscrições e as medições dos barcos. Quem já resolveu todas as pendências aproveitou o dia de sol para treinar nas águas do Canal de São Sebastião, antes do início das regatas oficiais, no dia 8. O evento, que tem apoio institucional da Prefeitura de Ilhabela, por meio da Secretaria de Esportes, segue até o dia 15 e é aberto ao público.

A classe Optimist é a porta de entrada para o esporte, na qual as crianças podem começar a partir dos 7 ou 8 anos e seguem até completarem 15 anos. Grandes nomes da vela mundial velejaram de Optimist e hoje veem seus filhos seguirem os mesmos passos. Este é o caso de Robert Scheidt, maior medalhista olímpico da vela brasileira, que está acompanhando seu filho Erik na sua primeira grande competição, bem como o de Alexandre Paradeda, campeão pan-americano e maior campeão brasileiro da classe Snipe, que é o técnico da Escola de Vela Lars Grael, onde sua filha Melissa treina.

De férias no Brasil, Erik disputou, também em Ilhabela, no final do ano passado, o Campeonato Paulista de Estreantes, conquistando a medalha de ouro, e agora se prepara para seu primeiro Brasileiro representando a cidade de Ilhabela.

“Eu estou bem tranquilo com ele participando deste campeonato. Minha família sempre veio para Ilhabela, antes mesmo de eu nascer, e ter esses dois campeonatos enquanto estávamos aqui de férias foi muito bom. Ele está velejando bastante na Itália, onde começou a treinar este ano e onde correu, em abril, a primeira regata dele. Ganhou o Paulista e está super animado para este campeonato. Quero ver ele se divertindo e aprendendo com a turma do Xandi. Para ele está sendo uma oportunidade de ouro estar aqui, já que lá na Itália estamos no inverno e ele estaria enclausurado estudando”, disse Scheidt, que mora em Riva del Garda, no norte da Itália.

“O Campeonato Paulista foi muito legal e um pouco difícil. Algumas regatas são mais difíceis do que as outras. Estou um pouco nervoso para o Brasileiro, por que tem muita gente. Vai ser mais difícil, mas treinei bastante lá na Itália com a Reka (treinadora). No verão treinamos umas cinco ou seis vezes por semana, mas no inverno não dá para treinar, pois é muito frio. Comecei a treinar mais sério este ano e já participei de alguns campeonatos legais por lá”, disse Erik. Quando perguntando se prefere velejar no mar de Ilhabela ou no Lago de Garda ele logo responde: “é difícil dizer! Os dois são legais, mas diferentes!”

LEIA TAMBÉM
>>Empresa alemã fabrica casas para serem ancoradas em lagoas e represas
>>Confira 5 dicas para levar em conta na compra de um barco
>>Conheça o projeto de iate que vira submarino

Apesar de ser filho de medalhistas olímpicos – a esposa de Scheidt, a lituana Gintare Volungeviciute Scheidt, foi medalha de prata nas Olimpíadas de Pequim em 2008 também na classe Laser – Erik não conversa muito com os pais sobre regata. “De vez em quando pergunta alguma coisa e a gente fala, mas não costumamos falar muito para evitar o excesso de informação nesta idade, já que ele só tem nove anos. Este ano ele já evoluiu bastante, está bem esperto no barco. É bacana que ele tenha escolhido este esporte para fazer. Nunca sabemos qual vai ser a opção dos nossos filhos e ele mostrou que gosta de velejar, que é o fator mais importante, mais até do que qualquer resultado. Ele acorda, pega as coisas dele e, sem falar nada, vem treinar e está feliz em fazer tudo novamente no dia seguinte”, completou Scheidt.

O cenário com Melissa é bem parecido. Inspirada nas conquistas do pai, ela tem se dedicado cada vez mais ao esporte. Mas, no caso dela, o próprio Xandi é o responsável pelos seus treinamentos, já que ele é o técnico da Flotilha Borrachudo, time da Escola de Vela Lars Grael. Aos 11 anos é comum ver essa gauchinha cuidando do barco nas areias da praia do Pequeá, onde fica a escola. Melissa já é experiente e, por ter disputado seu primeiro Brasileiro ano passado, este ano passou da categoria estreante para veterano e agora vai competir contra atletas mais velhos.

“Esse campeonato vai ser mais difícil que o Brasileiro do ano passado, mas treinei mais. Velejamos cinco vezes na semana, na maioria dos dias. Treinamos largada e bastante toque do barco. Meu pai me ensinou várias coisas, como o- toque na onda, como descer as ondas no popa. Se eu conseguir ser igual a ele já está bom. Mudamos para Ilhabela no final de 2017 e hoje gosto muito de morar aqui. É mais quente, tem mais vento e dá para velejar todos os dias. Tem bastante gente boa nesse campeonato e sei que para mim vai ser difícil ganhar. Meu objetivo é terminar na flotilha ouro”, disse ela. Com mais de 230 inscritos, os atletas acabam sendo divididos em flotilhas para as regatas e a ouro é a primeira metade e a prata, a segunda.

Quem também tem medalhista olímpica como inspiração é Joana de Freitas, de nove anos, do Iate Clube do Rio de Janeiro. Sua madrinha é a gaúcha Fernanda Oliveira, que ao lado de Isabel Swan conquistou a primeira medalha olímpica da vela feminina brasileira, o bronze na classe 470 em Pequim.

“Eu velejo três vezes por semana e não treinei muito para o Brasileiro, mas estou imaginando que vou ficar bem colocada. Prefiro que tenha vento fraco, por que eu sou muito leve e assim tenho mais chance de ganhar. Gosto muito de velejar e aFernanda é a minha inspiração. Comecei a velejar com cinco anos, por que minha mãe me obrigou e aí eu gostei e quis continuar”, concluiu ela.

A programação do 47º Campeonato Brasileiro de Optimist é extensa. As medições terminam nesta segunda-feira, quando também terá a cerimônia de abertura, às 19h, no Centro Histórico (Vila). As regatas começam para valer a partir do dia 8 para os veteranos e seguem até o dia 15. As regatas da Copa Brasil de Estreantes acontecem entre os dias 9 e 11. Já o Brasileiro por Equipes será disputado no dia 11, com premiação no mesmo dia na Escola de Vela Lars Grael. O evento é classificatório para o Sul-Americano, que será disputado em Algarrobo, no Chile, em abril. As regatas podem ser acompanhadas em tempo real pelo canal Vela Viva no Youtube, Facebook e Whatsapp pelo número (11) 94158-2468.

PROGRAMAÇÃO:

De 5 a 7/1
Escola de Vela Lars Grael

9h: Abertura da secretaria
13: Início da medição

7/1
Centro histórico (VILA)

19h: Cerimônia de abertura e desfile oficial das delegações

8/01
13h: Regatas Brasileiro de Optimist

9/01
11h: Regatas Copa Brasil de Estreantes
13h: Regatas Brasileiro de Optimist

10/01
11h: Regatas Copa Brasil de Estreantes
13h: Regatas Brasileiro de Optimist

11/01
10h: Campeonato Brasileiro por Equipes
11h: Regatas Copa Brasil de Estreantes
19h: Premiação do Brasileiro por Equipes e da Copa Brasil de Estreantes

12/01
Dia livre

13/01
13h: Regatas Brasileiro de Optimist

14/01
13h: Regatas Brasileiro de Optimist

15/01
13h: Regatas Brasileiro de Optimist
20h: Cerimônia de encerramento e premiação

Quer conferir mais conteúdo de NÁUTICA?
A edição deste mês já está disponível nas bancas, no nosso app
e também na Loja Virtual. Baixe agora!
App Revista Náutica
Loja Virtual
Disponível para tablets e smartphones