O vhf Icom IC-M25 flutua e emite alertas ao cair na água

0
3848
Rádio vhf ICOM IC-M25 (Foto Otto Aquino)

Mesmo com os smartphones cada vez mais modernos, o rádio vhf continua obrigatório nas embarcações de mar aberto, além de ser muito usado também em barcos que navegam em baías, canais e enseadas, justamente porque seu alcance é muito maior que o da telefonia celular — que, todo mundo sabe, ainda costuma falhar em muitos pontos do nosso litoral.

Não é à toa que tanto os barcos que navegam ao longo da costa quanto os de travessia oceânica têm sempre a bordo uma estação de vhf fixa, com potência de 25 W — além, também, de um rádio portátil extra. Mesmo com apenas 5 W de potência, ou seja, com alcance inferior ao do vhf fixo, os rádios portáteis são bem úteis a bordo, por exemplo, para falar com quem estiver no bote de apoio do barco ou até mesmo para ser usado como um comunicador reserva.

De uns tempos para cá, para combater o avanço dos smartphones, a indústria dos eletrônicos aprimorou os vhf portáteis. Depois dos modelos à prova d’água, chegou a vez dos flutuantes, como este IC-M25 que testamos, fabricado pela Icom. Entre as inovações, o modelo também traz um eficiente dispositivo luminoso e sonoro que facilita sua localização se cair na água, mesmo à noite. Além disso, recarregar sua bateria (de íon de lítio embutida) ficou fácil: basta usar o cabo de energia de um celular Android ou conectá-lo a uma saída 12 V.

LEIA TAMBÉM:
>> Com formato retangular, a churrasqueira Boat Grill cabe até em barcos antigos
>> A cera líquida Nautispecial deixa o casco sempre protegido

No nosso teste, mergulhamos o IC-M25 em uma caixa térmica com água. Primeiro, jogamos o rádio desligado na água. Imediatamente, os dispositivos sonoro e luminoso foram ativados. O primeiro serve para avisar que o rádio caiu na água — o que é bem útil, pois nem sempre percebemos quando isso acontece. Já o luminoso (duas luzes vermelhas de led que ficam piscando o tempo todo, tanto na parte inferior traseira quanto no visor frontal) garantem que o rádio seja encontrado, mesmo no escuro.

A qualidade do som da voz diminui com o alto-falante interno molhado. Para contornar este inconveniente, o próprio radinho oferece um recurso de autolimpeza. Basta aperta simultaneamente, por um segundo, as teclas Scan e HI/LO, para provocar uma vibração no rádio e, assim, expulsar a água. Na prática, contudo, o recurso não funcionou tão bem. O som só voltou ao original mesmo depois de uma boa e velha assoprada no alto-falante.

Além de compacto, o IC-M25 é bem completo. Tem até opção para programar um canal “favorito”. O preço (cerca de US$ 350, na radiomar.com.br) pode não agradar a todos, mas é um investimento que compensa tanto pela praticidade quanto pela segurança que oferece a bordo.